Incêndios: 350 empresas destruídas, com danos de 360 milhões

Números foram revelados esta terça-feira, pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza. Levantamento ainda não está concluído.

"Perto de 350 empresas sofreram danos (algumas delas totalmente, outras parcialmente)". E o total dos danos apurados anda a volta de 360 milhões de euros (com incidência muito forte na região centro)". Os números do rasto de destruição deixado pelos incêndios de 15 e 16 de outubro foram divulgados esta terça-feira, pelo secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, após uma reunião de trabalho, à porta fechada, na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), em Coimbra.

Nelson de Sousa sublinhou que o "levantamento definitivo" ainda não está concluído - poderá levar "duas a três semanas", a contar desde a data dos incêndios. E explicou as prioridades de intervenção do Governo neste momento: "repor aquilo que existia; manter e criar condições para que os investimentos em curso possam seguir o seu caminho; e, em terceiro lugar, atrair novo investimento que crie uma dinâmica de esperança para estes territórios, que se viram tão fortemente abalados".

Segundo o secretário de Estado, os apoios à "reposição da atividade empresarial vão ser diferenciados consoante "natureza e dimensão" das afetadas. As empresas "de menor dimensão" vão ter uma taxa de apoio de 85% a fundo perdido, enquanto as de maior dimensão - com prejuízos superiores a 200 mil euros - vão contar com a mesma taxa de 85% para os primeiros 200 mil euros, sendo "o restante apoiado com uma taxa mais moderada".

De resto, a preocupação do Executivo é "atrair novo investimento para estes territórios", com "apoios para a instalação de novas unidades, que possam gerar mais empregos (como através dos concursos do Portugal 2020)", completou Nelson de Souza.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG