Incêndios: Instituto de Medicina Legal já fez 40 autópsias

Oito corpos já foram entregues às famílias. A identificação das vítimas está a ser feita por reconhecimento pessoal, impressões digitais, exame dentário ou análise genética

O Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses já realizou 40 autópsias às vítimas dos incêndios no centro e norte do país, disse hoje à agência Lusa fonte oficial do Ministério da Justiça (MJ).

Oito corpos já foram entregues às famílias. A identificação das vítimas mortais, adiantou a mesma fonte do MJ, está a ser feita por reconhecimento pessoal, que é coordenado pela PJ, impressões digitais, exame dentário ou análise genética.

Segundo dados oficiais da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), os incêndios que deflagraram no domingo provocaram 42 mortos e cerca de 70 feridos.

Em virtude do estado de muitos corpos o Instituto de Medicina Legal está a realizar um elevado número de análises genéticas, obrigando o laboratório de genética a trabalhar de dia e de noite, explicou ainda a fonte.

Após a autópsia, é passado o certificado de óbito e, com autorização do Ministério Público, é feita a comunicação à família para levantamento do corpo.

As centenas de incêndios que deflagraram naquele que foi considerado o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça e quinta-feira, e a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, apresentou hoje a sua demissão, que foi aceite pelo primeiro-ministro.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.