Ilha de São Jorge com 37.810 sismos em menos de três meses

O CIVISA refere que, "no âmbito da monitorização geodésica, os dados existentes desde o início de abril não evidenciam deformação significativa na zona epicentral".

A ilha de São Jorge registou desde 19 de março até hoje 37.810 sismos, dos quais 288 foram sentidos pela população, revelou o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).

Num ponto de situação feito este domingo sobre a crise sismolvulcânica naquela ilha açoriana, divulgado no seu portal oficial, o CIVISA refere que, "até ao momento, foram registados aproximadamente 37.810 eventos de baixa magnitude e de origem tectónica".

O CIVISA "mantém os níveis de monitorização" na ilha, ao mesmo tempo que "está a providenciar o reforço da rede de observação sismovulcânica permanente, no sentido de poder detetar sinais precursores de uma nova situação pré-eruptiva".

"A integração da informação disponível permite concluir que as estruturas tectónicas onde se desenvolveram as erupções históricas de 1580 e 1808, e a crise sismovulcânica de 1964, no Sistema Vulcânico Fissural de Manadas, foram reativadas", descreve o CIVISA.

Por outro lado, é "de admitir que, no início do fenómeno, ocorreu uma intrusão magmática em profundidade".

Na quinta-feira, o CIVISA baixou o nível de alerta na ilha de São Jorge de V4 (ameaça de erupção) para V3 (sistema ativo sem iminência de erupção).

"A diminuição da atividade sísmica, ainda que de forma lenta, e a observação de tal padrão ao longo das últimas semanas, assim como a ausência de outros sinais anómalos ao nível da deformação, dos gases e das águas, levaram a determinar a descida do nível de alerta científico", justifica.

A ilha estava desde 23 de março, às 15:30 (mais uma hora em Lisboa), com o nível de alerta vulcânico V4 de um total de sete, em que V0 significa "estado de repouso" e V6 "erupção em curso", na sequência da crise sismovulcânica registada desde 19 de março.

Antes disso, tinha sido ativado o alerta V2, no dia 20 de março às 00:40, e o V3, no mesmo dia, pelas 02:40.

Não obstante a descida do alerta, "a atividade sísmica continua muito acima dos valores de referência para a região, pelo que se mantém a possibilidade de se registarem eventos sentidos".

Acresce que "não se pode excluir a eventual ocorrência de sismos de magnitude mais elevada".

"Globalmente, a atividade sísmica das últimas semanas apresenta uma ligeira tendência decrescente, por vezes interrompida por pequenos períodos de maior frequência e/ou energia libertada, situando-se presentemente os hipocentros, no geral, a profundidades superiores a cinco quilómetros", descreve o CIVISA.

O sismo de maior magnitude (3,8 na escala de Richter) desta crise ocorreu no dia 29 de março, às 21:56.

O CIVISA refere que, "no âmbito da monitorização geodésica, os dados existentes desde o início de abril não evidenciam deformação significativa na zona epicentral".

"As campanhas de medição de gases e temperatura no solo que se vêm desenvolvendo desde o início desta crise na área epicentral não resultaram, até à data, na identificação de anomalias resultantes da atividade sismovulcânica, mantendo-se os levantamentos de campo", acrescenta.

Por outro lado, "as campanhas de hidrogeoquímica nas águas subterrâneas dos dois furos de captação monitorizados não têm revelado variações significativas que possam ser associadas à crise sismovulcânica em curso".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG