Idosos viviam em lar ilegal com 24 cães

Habitação na Cruz da Assumada, Loulé, foi encerrada na quinta-feira por suspeitas de que funcionaria ilegamente como lar de idosos. Os utentes partilhavam o espaço com 24 cães

Militares do Comando Territorial de Faro da GNR, em coordenação com técnicos da Segurança Social de Faro, desencadearam uma ação de fiscalização a uma habitação localizada na Cruz da Assumada - Loulé, ontem, dia 17 de fevereiro, por suspeitas de que estaria a funcionar ilegalmente como lar, comunicou a Guarda.

A investigação que levou ao encerramento teve origem numa denúncia de maus tratos a um idoso. Foram recolhidos indícios de que no mesmo espaço poderiam habitar outros idosos, sem que o local reunisse as devidas autorizações e licenciamento para operar como lar, refere o comunicado.

A situação foi sinalizada à Segurança Social de Faro, tendo sido constatado que se encontravam 13 idosos, 11 homens e duas mulheres com idades entre os 69 e os 87 anos, alojados em condições precárias, partilhando ainda as instalações com 24 cães.

Da avaliação feita pelos técnicos da Segurança Social resultou o encerramento imediato do lar, tendo nove idosos sido institucionalizados noutros espaços enquanto os restantes foram acolhidos pela família, adianta a GNR.

Nesta ação de fiscalização estiveram presentes militares do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas de Faro (NIAVE), militares do Núcleo de Programas Especiais de Loulé e da Equipa de Proteção do Ambiental de Loulé.

O inquérito em investigação foi aberto no NIAVE de Faro e está a cargo da 1.ª Secção do Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal - Loulé.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.