Identificados mais casos suspeitos da variante brasileira em Portugal

O laboratório Unilabs detetou mais casos suspeitos da variante brasileira no nosso país. Na quarta-feira já tinham sido identificados dois casos que foram enviados para o Instituto Ricardo Jorge.

Foram identificados mais casos suspeitos da variante brasileira do SARS-Cov-2 em Portugal. A informação foi dada esta sexta-feira por Luís Menezes, diretor-geral do laboratório Unilabs. Já na quarta-feira tinham sido detetados dois casos suspeitos desta variante, a B.1.1.28, com origem no Brasil, no nosso país, tendo sido notificada a Direção-Geral da Saúde (DGS) e as amostras enviadas para o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge para confirmação.

"Nas últimas 24 horas encontramos mais algumas [amostras suspeitas], um número ainda baixo, e estamos a transmitir às autoridades", disse esta noite Luís Menezes no Jornal 2, da RTP. "São números ainda baixos, e ainda bem", afirmou, referindo que os dados estão a ser comunicados às entidades competentes.

O responsável da Unilabs considera "normal", quer seja através de laboratórios privados ou públicos, que se comece a encontrar mais casos desta estirpe. "A partir do momento em que se encontra a sua existência em determinado local ou região, é normal que tenha existido alguma transmissibilidade dessa mesma variante", referiu.

Estes casos suspeitos somam-se aos dois identificados na quarta-feira, também pela Unilabs, tendo o laboratório notificado as autoridades.

Os dois casos da variante B.1.1.28, "detetados na região da Grande Lisboa através de sondas especificas de RT-PCR em amostras de dois indivíduos positivos", foram comunicados à DGS, e as amostras foram enviadas para o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) "para o seguimento epidemiológico e laboratorial adequado", referiu fonte oficial do laboratório à Lusa.

O INSA confirmou "a receção de duas amostras suspeitas de estarem associados à variante genética do SARS-CoV-2 primeiramente detetada no Brasil". Indicou que as amostras vão ser alvo de análise, de forma a concluir se se tratam de facto de casos de covid-19 associados a esta variante do vírus responsável pela covid-19.

A DGS também referiu que "assim que são identificadas variantes que suscitam reforço de monitorização são contactadas as autoridades de saúde, de forma a confirmar que o caso está isolado e que todos os contactos estão identificados e em isolamento profilático".

Nos casos de covid-19 em Portugal há uma "progressão da proporção de casos confirmados com a nova variante" associada ao Reino Unido, que tem "maior foco" na região de Lisboa e Vale do Tejo, disse na terça-feira um especialista da DGS, André Peralta.

Já na quinta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, referiu que a variante britânica tem "tido uma larga prevalência no nosso país". Após o Conselho de Ministros, o chefe do Governo afirmou que esta variante associada ao Reino Unido tem uma prevalência de 43% no número de novos casos existentes no país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG