Identificadas mil espécies em Angola. 38 nem se sabia que lá existiam

Ambientalistas apelam para concretização das estratégias nacionais de conservação das espécies na bacia do Okavango

A bacia hidrográfica do Okavango é um paraíso da biodiversidade, local quase único no mundo, e não cessa de maravilhar cientistas e ambientalistas. Foi isso que aconteceu agora, de novo, com os resultados do projeto National Geographic da Vida Selvagem do Okavango que, iniciado há três anos, já tem novidades para contar. Entre elas, a identificação de mais de mil espécies ao longo da bacia do rio, em Angola, das quais 24 são potencialmente novas para a ciência, e outras 38 são novas em Angola, ou seja, não se sabia que elas existiam no país.

Em números, estes três anos de trabalho, que tem sido realizado no terreno por uma vasta equipa internacional de 34 pessoas, incluindo investigadores, especialistas em diferentes tipos de fauna e de flora, ambientalistas, guias, tradutores, fotógrafos, operadores de imagem e outros, resultaram na identificação de mais de mil espécies, das quais 407 aves, 92 peixes, 99 répteis, 14 espécies de plantas, e ainda um grande número de mamíferos e de anfíbios.

Segundo a bióloga angolana Adjany Costa, diretora do projeto da National Geographic da Vida Selvagem do Okavango para Angola, que fez o balanço do trabalho realizado, foram ainda descobertas 16 novas lagoas de nascentes, além das 24 novas espécies que poderão ser novas para a ciência.

"Temos potencialmente 24 espécies novas para a ciência, que estão agora em fase de estudo", disse a cientista angolana que na próxima semana vai estar em Lisboa para explicar de viva voz a sua experiência no âmbito da National Geographic Summit, que terá lugar no Coliseu dos Recreios, a 11 e 12 de abril.

Os dados da expedição são, no entanto, ainda preliminares, explicou a própria bióloga. E é fácil perceber porquê. A expedição ao longo da bacia do Okavango, um rio que liga três países da África Austral (Angola, Namíbia e Botswana) ao longo de cerca de 1600 quilómetros e cobre uma superfície hidrologicamente ativa de 323.192 km2, vai continuar e poderá, nos próximos tempos, trazer novos resultados da da observação da vida selvagem pelos cientistas do projeto.

Adjany Costa, que falava em Luanda à margem do workshop de apresentação das conclusões preliminares das expedições científicas realizadas em Angola, afirmou que o projeto compreende três fases, sendo a primeira a de exploração científica e geográfica. Dela se obtiveram os diferentes dados relativos às espécies identificadas, às nascentes descobertas, e às comunidades existentes ao longo da bacia do Okavango.

"Estamos a falar, em alguns casos, de zonas que ficaram isoladas, devido à guerra", explicou Adjany Costa. A área total de estudo, entre os três países, atinge mais de 650 mil quilómetros quadrados de bacias hidrográficas, essencialmente em território angolano.

Além da diversidade da fauna e das novidades, a 16 novas lagoas de nascentes descoberta são outro marco muito importante do projeto, como sublinha a bióloga angolana. "Aquela área é rica em água e é a torre de estabilidade tanto do Cubango/Okavango como do Zambeze", acrescentou a diretora para Angola do projeto National Geographic, que é desenvolvido em conjunto com a organização Wild Bird Trust e o Ministério do Ambiente angolano.

Já a segunda fase do projeto, incidiu sobre o processo de engajamento das comunidades, com a aprendizagem da tradição e o enquadramento do uso dos recursos naturais. A terceira fase consiste agora na aplicação da tradição e no melhor enquadramento dos dados recolhidos neste três anos de expedição para enriquecer e facilitar os diferentes planos de estratégias já existentes no país.

De acordo com Adjany Costa, com os resultados preliminares da expedição pretende-se engajar as entidades com as quais se agora pode discutir e apoiar um melhor planeamento das estratégias nacionais de conservação da bacia hidrográfica do Okavango.

A diretora do projeto para Angola explica ainda que a iniciativa está a trabalhar em estreita colaboração com os três países banhados pelo rio Okavango, de forma a abordar os alvos fundamentais do Plano de Acção Nacional para a gestão sustentável da bacia.

"Importa frisar que durante a expedição interagimos com mais de quatro mil pessoas de cerca de 36 comunidades, e aproveitámos para fazer uma avaliação das condições de educação, saúde, interação com os recursos naturais, bem como aprender como é que estas comunidades interagem com os diferentes grupos de biodiversidades", explicou.

Na terceira fase, que agora arranca, em paralelo com novas expedições que já estão previstas para maio, a National Geographic pretende disponibilizar dados científicos e técnicos, às autoridades angolanas, desde logo sobre a fauna e a flora, mas também relativos à qualidade e quantidade de água identificada.

A ideia é possibilitar "um melhor planeamento e enquadramento das estratégias nacionais de conservação, especificamente da bacia do Cubango/Okavango", como explicou Adjany Costa.

Bióloga, com um mestrado em ciências ambientais, e especialista em peixes, Adjany Costa dirige o projeto para Angola e faz a ligação com o ministério do Ambiente de Angola, para a realização das expedições no terreno.

Estratégias de conservação

Nascimento António, diretor nacional da Biodiversidade, fez saber por seu lado, que os resultados da expedição, embora sejam preliminares, agradam ao Governo, em particular ao Ministério do Ambiente. Porém, diante dos dados, o responsável avançou que agora há trabalho na extensão e no fortalecimento das politicas de proteção e de conservação já existentes, para que estas novas espécies estejam protegidas.

Dentro das políticas do Governo já em curso, Nascimento António apontou a estratégia nacional de combate à caça furtiva, a identificação de novas áreas de conservação e a identificação de zonas húmidas de importância internacional. "A informação agora disponibilizada será pertinente para nos permitir identificar e determinar os passos a dar para a conservação destas áreas no quadro da sustentabilidade", concluiu.

Parceria DN/O País - Angola

Exclusivos