Hotéis esgotados de Lisboa até Sintra com Web Summit

Taxa de ocupação para os dias da conferência de tecnologia está acima da média para a época, bem como os preços. Associação fala em "balão de oxigénio importante"

A Web Summit chegou aos hotéis. Quem o diz é a presidente executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), depois de os dados recolhidos apontarem para unidades "em que a taxa de ocupação ultrapassa os 90%" nos dias da conferência. Já no início do mês os dados eram positivos, com um inquérito a dar conta de que era esperada uma taxa de ocupação entre 7 e 10 de novembro de 85% para os hotéis de Lisboa e de 78% para os da área metropolitana.

Em setembro, a AHP repetiu o inquérito de junho - quando os hotéis ainda não mostravam o impacto da Web Summit - e a procura já estava a animar o setor. Os preços médios já rondavam os 163 euros por quarto, em Lisboa, e os 150 na área metropolitana e 57% das reservas efetivas para esses dias eram para participantes no evento. A área de influência da conferência de tecnologia estende-se "pelo Estoril, Cascais e Sintra", aponta Catarina Siza Vieira.

Com mais de 50 mil participantes esperados e os hotéis convencionados já esgotados, a responsável da AHP refere que já era expectável algum impacto na hotelaria. "Os eventos têm sempre impacto na procura e nos preços. Já foi assim na final da Champions", aponta. Ora, são também esses números do evento que explicam a extensão da procura. "Lisboa tem 36 992 camas, em 191 hotéis e são esperadas 50 mil participantes, 2500 jornalistas, 2000 investidores", enumera Cristina Siza Vieira. Além dos que optam por alojamento fora da cidade, há ainda os que estarão instalados no alojamento local.

Ainda assim, esta vai ser uma semana positiva para a hotelaria da capital. "Não é à toa que a organização falava num impacto indireto de 200 milhões de euros, algum desse valor está ligado ao turismo e à hotelaria", acrescenta.

Um sinal positivo, mas que a dirigente da AHP faz questão de contextualizar. "Uma andorinha não faz a primavera, mas estes eventos são sempre um balão de oxigénio importante para o setor". A verdade é que geralmente maio é o melhor mês para a hotelaria em Lisboa, explica Cristina Siza Vieira, e o facto de a Web Summit trazer mais gente em novembro pode não ser suficiente para alterar esses dados.

Surf esgota oferta

Cristina Siza Vieira dá o exemplo da Surf Summit que vai anteceder a conferência em Lisboa. Nos dias 5 e 6 (sábado e domingo) a atenções vão estar concentradas na Ericeira, onde são esperados 200 participantes e cinco oradores. "O único hotel com capacidade para receber toda a gente está esgotado, mas é só nesse fim de semana e como é parceiro só teve um aumento de 10% no preço. Ou seja, num novembro normal tinha a lotação nos 30% e mesmo este aumento de dois dias só vai subir a média de ocupação do mês para os 35%. Por isso, não sei se os quatro dias de conferência vão ser suficientes para alterar as médias mensais, mas claro que é uma boa oportunidade".

França e Reino Unido na frente

A Associação da Hotelaria de Portugal tentou também perceber no inquérito de onde vinham as reservas. E a sua origem revelou um dado interessante. É que apesar da maioria dos participantes - que têm origem em 165 países - virem do Reino Unido, Alemanha, Irlanda e EUA, mas reservas feita nesses dias são essencialmente de França, Reino Unido, Portugal e Espanha.

Uma procura que se começou a notar mais em cima da hora, já que em junho não havia quase reservas para estes dias e que acabou por inflacionar os preços. "É natural, tem a ver com a procura. Agora também já só há bilhetes a 1200 e 3200 euros. Os de 900 já estão esgotados", compara Cristina Siza Vieira.

A uma semana do evento, já estão inscritas mais de 49 mil pessoas e a organização espera chegar às 50 mil. Os bilhetes mais baratos já estão esgotados e desde sexta-feira que o passe geral subiu dos 900 para os 1245 euros. Por este preço, os participantes podem vender o seu negócio, contactar investidores, assistir às palestras. Já estão confirmadas 15 mil empresas entre as quais Facebook, Microsoft, Apple, Coca Cola, Google, Tesla, Nestlé, L"Oréal, Disney ou Samsung.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?