Anonymous ataca e encerra 10 mil sites de pornografia infantil

Pirata informático atacou o maior servidor da dark web que alojava grandes quantidades de pornografia infantil

Um pirata informático do grupo Anonymous encerrou pelo menos 10 mil sites da dark web, numa ação contra a divulgação de pornografia infantil. O hacker atacou na quinta-feira o Freedom Hosting II, o maior servidor de sites da dark web, desligando um quinto das páginas que operam nesta parte normalmente oculta da internet.

O pirata disse à Motherboard que desligou este servidor pois mais de 50% dos ficheiros que o Freedom Hosting II alojava eram de pornografia infantil. O hacker garante que vai entregar os ficheiros às autoridades.

Quando os utilizadores tentaram aceder ao servidor encontraram a mensagem: "Olá, Freedom Hosting II. Foste pirateado".

"Estamos desapontados...Este é um excerto da tua página inicial 'Temos tolerância zero à pornografia infantil' - mas enquanto pesquisávamos no teu servidor descobrimos que mais de 50% é pornografia infantil", continuava a mensagem apresentada aos utilizadores. "Além disso, alojas muitos sites de burla, alguns obviamente para pagar as tuas despesas".

"Nós somos Anonymous. Nós não perdoamos. Nós não esquecemos", continuou a mensagem, acrescentando que o servidor devia ter antecipado o ataque do grupo de piratas.

O hacker exigiu ainda dinheiro, pago através da bitcoin, para restaurar os ficheiros apagados mas como pediu uma quantia baixa, há quem não acredite nesta proposta.

À Motherboard, o pirata, que não se quis identificar, disse que era primeira vez que cometia um ataque informático e que "apenas teve uma boa ideia". O hacker explicou como o fez e disse que voltará a fazê-lo se "tiver a oportunidade".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.