Habitantes juntaram-se para manter terrenos limpos em Vila de Rei

Cansados de esperar pelo Estado e da aflição anual perante a chegada dos incêndios, os habitantes da aldeia de Monte Novo criaram um grupo para identificar e limpar as terras

Em Monte Novo, uma pequena aldeia do concelho de Vila de Rei, a ameaça dos incêndios deste verão levou um conjunto de habitantes a agir. "Quando estava tudo a arder em Pedrógão Grande, as pessoas ficaram com medo que chegasse lá e mobilizaram-se todas. Andava tudo a limpar os quintais com medo que o fogo chegasse", recorda Vítor Fernandes. Foi nessa altura que o assistente de parque de estacionamento falou com os vizinhos para que se juntassem e garantissem que os seus terrenos estavam limpos o ano inteiro, de forma a que não andassem aflitos sempre que as chamas espreitam.

"Percebi que eles já tinham falado disso. Marcámos uma reunião, fortalecemos a nossa ideia, andámos com fitas métricas a ver quantos metros era obrigatório limpar à volta dos terrenos. Já temos tudo identificado, agora estamos a espalhar a ideia, a falar com os proprietários das terras em volta da povoação." O que este grupo de dez moradores de Monte Novo, na freguesia da Fundada, pretende é que ou os proprietários limpem os seus terrenos ou que aceitem pagar pelos seus serviços e eles certificam-se que as limpezas cumprem as normas legais.

Caso contrário, "quando houver um incêndio, se for preciso, pegamos numa máquina e limpamos tudo, mesmo sem autorização, porque não podemos é arriscar a segurança das nossas casas", alerta Vítor Fernandes.

Apesar de viver em Lisboa, o mentor desta ideia continua a ir à sua terra natal e mantêm bem presente a necessidade de cuidar dos terrenos para que os incêndios não sejam piores. E já há algum tempo que junta dinheiro - "como um condomínio na cidade" - para tratar da limpeza das terras que mantém. O princípio para a limpeza da aldeia é o mesmo que Vítor e os vizinhos aplicam com as suas terras: "Impusemos que se tivermos alguma despesa a limpar terrenos dos outros, vamos custear isso e juntamos dinheiro para isso. Toda a gente, com um euro por dia limpa o país inteiro", defende.

Começaram pelos terrenos do interior da povoação, que são propriedade dos dinamizadores do grupo, e agora fizeram o levantamento dos terrenos que a envolvem. "Nas terras mais pequenas toda a gente acaba por saber quem é o dono de cada bocadinho e torna-se mais fácil chegar ao contacto com eles". Essa é uma fase que já passou e basta agora terem uma autorização dos proprietários para fazerem a limpeza preventiva a que se propõem.

Estes habitantes de Monte Novo acreditam que a sua iniciativa pode ser um exemplo para que outras zonas do país se mobilizem. "Temos de fazer alguma coisa e não podemos só empurrar para o governo. O problema no momento é de todos."

Vítor fala até com a experiência de quem já tinha lançado o desafio à autarquia de que se criasse um mecanismo que obrigasse a cumprir a lei da limpeza dos terrenos. Na altura, tinha em mente fazer desta atividade um negócio, mas quis garantir que iria haver quem cumprisse a lei e precisasse de serviços como os seus. "A resposta foi de que era difícil fazer cumprir a lei porque as pessoas não gostam de ser pressionadas", lamenta.

Agora aos 60 anos, quer apenas manter um grupo ativo de voluntários e conta com o apoio da autarquia para executar a ideia. O executivo local está disponível para emprestar as máquinas necessárias ao corte das árvores. Com a chegada das chuvas, Vítor e os amigos vão voltar a contactar os donos dos terrenos que precisam de ser limpos para "chegarmos a uma conclusão: ou eles limpam ou avançamos nós".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG