Há fósseis com 150 milhões de anos em Pombal

Equipa lusa-espanhola descobre elementos fossilizados de dinossauros e tartarugas

Uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis descobriram um conjunto de fósseis de dinossauros e de tartarugas com cerca de 150 milhões de anos na região de Pombal. Os investigadores irão agora tratar das descobertas para que possam ser conservadas e preparam já uma nova escavação a decorrer nos próximos meses.

Estas descobertas são o resultado de uma campanha de escavação levada a cabo por paleontólogos portugueses e espanhóis do Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do Instituto Dom Luiz, da Universidade de Lisboa, e do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED de Madrid, com o apoio das autoridades locais, revelou ontem o museu.

Os fósseis agora encontrados refletem a importância da zona geográfica. O sucesso atinge contornos de maior importância "na medida em que estes dinossauros de grande tamanho são conhecidos em distintos locais da Bacia Lusitânica mas, até ao momento, são ainda relativamente escassos nos níveis do Jurássico Superior da região de Pombal".

Os cientistas portugueses já estavam de sobreaviso há alguns meses, após terem sido informados da existência de elementos osteológicos fossilizados encontrados pelo dono de um terreno durante trabalhos de construção. E decidiram ir para o terreno. Entre 21 e 25 de março passado, decorre a intervenção paleontológica em Monte Agudo com o objetivo de avaliar o potencial paleontológico do local.

Durante a escavação foram "encontrados elementos fossilizados de tartarugas e diversas vértebras ainda por identificar mas que poderão pertencer a dinossauros saurópodes" que viveram há cerca de 150 milhões de anos, explicou Elisabete Malafaia, paleontóloga no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Agora segue-se o trabalho de conservação. Estes fósseis vão "ser preparados e restaurados de forma a poderem integrar as coleções do Museu Nacional de História Natural e da Ciência". Mas os trabalhos não estão concluídos e, por isso, "está já planeada uma nova campanha de escavação que será levada a cabo pelos investigadores nos próximos meses". Elisabete Malafaia explica que "a descoberta vem confirmar o elevado potencial paleontológico e interesse científico da região de Pombal para o conhecimento dos ecossistemas com dinossauros em Portugal do final do Jurássico".

A jazida de Monte Agudo está situada perto de duas localidades bem conhecidas com fósseis do final do Jurássico (aproximadamente 150-145 milhões de anos) na região de Pombal: as jazidas da Junqueira e de Andrés estão constituídas por depósitos sedimentares equivalentes da Formação de Bombarral.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG