Há 101 anos a mudar a hora. As histórias mais curiosas

Quem primeiro pensou no assunto foi o inventor do para-raios, no século XVIII, mas a primeira vez que a hora mudou foi na Alemanha, durante a Primeira Guerra Mundial

Na próxima madrugada regressa a hora de verão - à 01.00 os relógios adiantam para as 02.00. Nos Açores, a mudança é à meia-noite. É já uma rotina, mas nem sempre foi assim. Eis algumas histórias desta medida:

1 Benjamin Franklin, um dos fundadores dos Estados Unidos da América, inventor do para-raios, oceanógrafo, escritor, diplomata e músico, entre muitas outras atividades, foi quem primeiro se lembrou de mexer na hora. A sua ideia era aproveitar melhor as horas de luz solar e assim poupar a queima de muitas velas. Escreveu-o em 1784 no seu "Ensaio sobre a poupança da luz solar", que publicou no Journal de Paris - vivia então em França.

2 Foi preciso chegar ao século XX, no entanto, para que a mudança da hora voltasse a ser tema de debate, dessa vez pela mão de um britânico, William Willet, que em 1905 publicou o texto "Desperdício de luz solar", no qual defendia a mesma ideia: a da poupança de combustível, aproveitando melhor a luz do dia. Acabou por morrer em 1915 sem ver concretizada a sua ideia, que só foi posta em prática no ano seguinte, em plena Primeira Guerra Mundial.

3 A primeira vez que a hora mudou foi na Alemanha, com o objetivo de ajustar a vida ao maior número de horas de luz solar durante o verão, justamente pela necessidade imperiosa de poupar combustível. Em 1916, há 101 anos, estava em curso a Primeira Guerra Mundial. Em Abril desse ano, o governo alemão introduziu então pela primeira vez aquela medida, para diminuir a necessidade de iluminação artificial, poupando assim combustível para o esforço de guerra, como contou o Observatório Astronómico de Lisboa no seu site, por ocasião do centenário da mudança da hora. Ainda durante o conflito, muitos outros países acabaram por seguir o exemplo alemão. Portugal foi um deles e o Reino Unido foi outro.

4 A guerra chegou ao fim em 1918 e a maioria dos países cancelou a hora de verão. Portugal foi um dos poucos que decidiu mantê-la e, aparentemente, gostou tanto que durante a década de 20 manteve-a em vigor durante os 12 meses, em alguns daqueles anos: 1922, 1923,1925, 1930 e 1930. Na década de 90 houve alguns anos em que a hora de verão, em Portugal, foi adiantada duas horas.

5 Nos antípodas da Península Ibérica, a Nova Zelândia tem a maior diferença horária de Portugal: 12 horas. O país com maior número de fusos horários em território contínuo é a Rússia, que se distribui por 11. Mas a França, com os seus territórios ultramarinos, é o país com maior número de fusos horários: 12.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.