GNR deteve grupo suspeito de assaltar quinto homem mais rico de Portugal

Cinco homens, de nacionalidade chilena e argentina, foram detidos em Almancil depois de tentaram assaltar casa em Faro

A Guarda Nacional Republicana deteve esta manhã cinco homens, suspeitos de assaltarem moradias em vários pontos do País, quando fugiam de um bairro em Faro onde foram detetados numa casa.

De acordo com as informações disponíveis, este grupo pode ser o mesmo que assaltou a casa do médico Fernando Póvoas, na Maia, na noite de Natal. Há também suspeitas que podem ser os mesmos que terão levado cerca de dez milhões de euros da casa do comendador António Rodrigues, em Oliveira de Azeméis, quando este estava no Brasil durante a passagem de ano.

A GNR deteve o grupo em Almancil quando seguiam para uma casa que tinham alugado. Segundo as fontes do DN, na habitação foi encontrado ouro, dinheiro e joias, entre outros objetos. A Guarda tenta agora confirmar se esses valores fazem parte do que foi roubado ao médico e ao empresário, entre outros assaltos a moradias de luxo que aconteceram nas últimas semanas.

Os cinco homens, de nacionalidades chilena e argentina, terão chegado ao Algarve nesta terça-feira e dirigiram-se a Faro, onde tentaram assaltar uma moradia.

Como antes do Natal já se tinham registado outros roubos na zona, os moradores do bairro instalaram alarmes e câmaras de videovigilância. Por isso, quando os assaltantes tentaram entrar numa das vivendas o alarme deu sinal no telemóvel do proprietário - que não estava na residência - e este alertou os vizinhos, contou um morador ao DN.

A rapidez com que foram para a rua tentar perceber o que se passava obrigou os assaltantes a abandonar a casa e a fugir de carro. À saída de Faro ainda assaltaram uma casa e roubaram um carro. E foi nesta viatura que se dirigiram a Almancil onde foram detetados e detidos pela GNR.

Em comunicado, as autoridades informaram que os detidos, com idades entre os 23 e os 41 anos, serão presentes a tribunal amanhã, 5 de janeiro. A GNR apreendeu, de acordo com a mesma declaração, 70 peças de joalharia, 45 relógios, três automóveis de gama alta, duas pistolas, cinco telemóveis, uma máquina fotográfica, vários aparelhos informáticos, dezenas de óculos, mochilas e malas de viagem e ainda cerca de 2500 euros em dinheiro.

Depois de analisar uma parte do ouro recuperado, os militares da Guarda já confirmaram, segundo as fontes do DN, que uma parte estava registada em lojas de Chaves, Lisboa, Leiria, Setúbal e Oliveira de Azeméis.

Foram ainda detetadas três caixas enviadas para a América do Sul com ouro. Encomendas que já terão sido confiscadas pela GNR.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG