GNR detém três pessoas e regista nove crimes em fiscalização à segurança privada

Da operação, para a qual foram mobilizados 650 militares que realizaram mais de 460 fiscalizações, resultou ainda a apreensão de 64 doses de cocaína e sete máquinas de jogo ilegal

A GNR deteve três pessoas e registou nove crimes e 135 contraordenações durante uma operação de fiscalização à atividade de segurança privada, realizada em todo o país entre 22 e 26 de novembro, anunciou esta segunda-feira a corporação.

Durante a operação, denominada "Prisec", a Guarda Nacional Republicana apreendeu também sete máquinas de jogo ilegal, 64 doses de cocaína e dois sistemas de videovigilância, que operavam sem a devida autorização, adianta aquela força de segurança, em comunicado.

Durante os cinco dias da operação, a GNR mobilizou um total de 650 militares dos comandos territoriais, que realizaram mais de 461 ações de fiscalização, sobretudo em recintos desportivos e estabelecimentos comerciais, nomeadamente centros comerciais e estabelecimentos de restauração ou bebidas.

A GNR refere que esta operação de fiscalização ao exercício de atividade de segurança privada teve como objetivo detetar situações passíveis de configurar ilícitos criminais ou contraordenacionais, tendo sido elaborados, em cinco dias, 135 autos de notícia por contraordenação e detetados nove crimes.

Segundo a GNR, as áreas de fiscalização no âmbito desta atividade incidem sobre o pessoal e meios de segurança privada, medidas de segurança, titularidade, proibições e regras de conduta no plano da execução de serviços de segurança privada.

A GNR indica ainda que, desde o início do ano, realizou um total de 1138 ações de fiscalização a empresas, estabelecimentos comerciais e recintos desportivos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.