Fundação muda site para pôr Portugal inteiro online

Fundação Francisco Manuel dos Santos lança blogue, e-books e estudos com apresentações multimédia

A Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) tem uma cara nova na internet. A mudança de site - que permite optar pela visualização em site ou blogue - tem por objetivo chegar à população mais jovem e ao mesmo tempo colocar todo o país online. Na página já disponível vai ser possível acompanhar todas as conferências, estudos e publicações através da nova página. A fundação investiu também no alargamento das cronologias, que são explicações mais atrativas de estudos académicos.

Ao fim de um ano de trabalho, a FFMS apresentou esta manhã aquele que chamou de "navio almirante" das suas páginas na internet. A partir da página base é possível chegar aos sites Pordata, Direitos e Deveres, Pordata Kids, Cronologias, Portal da Opinião Pública e Globalstat.

Quase a terminar o seu mandato como presidente da comissão executiva da FFMS, Nuno Garoupa, que a 1 de setembro será substituído por Jaime Gama - sublinhou "a preocupação desta comissão executiva em chegar até à população mais jovem" e em manter a Fundação "na vanguarda tecnológica". Nessa procura, David Lopes, CEO da FFMS, defende que o objetivo é não só fornecer conteúdos de qualidade mas também "levar as pessoas a partilhar os conteúdos. Queremos que as pessoas assumam o protagonismo da difusão dos conteúdos e aí legitimamos a nossa missão de pôr Portugal online".

Uma das grandes apostas vai ser, sem dúvida, a partir de 2 de maio, segunda-feira, quando os estudos da fundação vão estar consultáveis em formatos multimédia. "Vamos pegar nas grandes conclusões de um estudo científico e transformar isso em gráficos interativos. Levar as pessoas a lerem uma história e perceber onde se encaixam em vez de serem confrontadas com um conteúdo científico mais denso", explicou David Lopes. Além disso, o blogue vai ter reportagens, vídeos e entrevistas sobre temas "relevantes para o país".

A Fundação Francisco Manuel dos Santos está ainda a preparar formações online sobre leituras de estatísticas e vai lançar o projeto GPS (Global Portuguese Scientists), em junho, no qual se pretende fazer o levantamento dos talentos portugueses lá fora, onde estão e o que fazem os cérebros emigrados.

Exclusivos