Treze incêndios graves no Norte. Chamas chegaram aos Passadiços do Paiva

Aveiro é o distrito mais afetado, com seis incêndios de grandes dimensões

Mais de 1.900 bombeiros combatiam 13 incêndios no norte de Portugal continental às 12.00 de hoje, nos distritos de Aveiro, Braga, Viana do Castelo, Viseu e Vila Real, segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Aveiro, com seis incêndios de grandes dimensões, era o distrito mais atingido por fogos ao meio-dia, seguido pelos distritos de Braga, com dois, Viana do Castelo (dois), Viseu (dois) e um em Vila Real.

No distrito de Aveiro, os seis incêndios registavam-se nos concelhos de Anadia, Castelo de Paiva, Albergaria-a-Velha, Arouca e Águeda.

As chamas obrigaram a encerrar as estradas nacionais 224, 326 e 328 nesse distrito. Também a circulação ferroviária na Linha da Beira Alta esteve interrompida desde as 19.00 de quarta-feira, mas foi reposta às 12.14 desta quinta-feira.

Parte dos Passadiços do Paiva já ardeu

O concelho de Arouca está a ser um dos mais afetados pelos incêndios desta semana, com o combate às chamas a ser dificultado pelos ventos fortes e tempo seco que se registam em todo o país.

Um dos fogos que arde em Arouca chegou aos Passadiços do Paiva. O presidente da Câmara de Arouca, José Artur Neves desvalorizou o sucedido tendo em conta a "tragédia" que todo o concelho enfrenta. "Os passadiços também estão a arder. O fogo está aí a começar", disse à Lusa o autarca, sem conseguir precisar qual a extensão daquela estrutura em madeira que foi atingida pelo fogo.

"Não admito sequer que me apontem isso como mais importante nessa desgraça. Substituir 100, 200 ou 500 metros de passadiço não tem significado nenhum. Substituir uma floresta de pinheiros, carvalhos, sobreiros e outras árvores que demorou 30 anos a crescer é que é impossível", vincou o autarca.

Já ontem, quarta-feira, os Passadiços do Paiva, que atraíram mais de 150 mil visitantes desde a sua reabertura em fevereiro, tiveram de ser evacuados devido ao risco de incêndio. Esta quinta-feira, a atração turística nas margens do rio Paiva não abriu ao público.

Os Passadiços do Paiva reabriram ao público em fevereiro deste ano, após obras de recuperação e reconstrução. A atração turística tinha sido parcialmente consumida pelo fogo num incêndio em Arouca em setembro do ano passado, e o restauro custou cerca de 130 mil euros.

Nas redes sociais circulam fotografias e vídeos do fogo que durante a noite rodeou a vila de Arouca, colocando casas em risco.