Fenprof estima que haja mais de 100 mil alunos sem aulas

Em 73,7% das escolas por todo país faltavam sobretudo professores de Informática, Físico-Química, Português, Matemática, Biologia-Geologia, educadores de infância e professores do 1.º ciclo.

A Fenprof estima que haja mais de 100 mil alunos sem todos os professores atribuídos, um problema que afeta escolas de todo o país e que se poderá agravar nos próximos tempos.

"Posso afirmar sem medo de errar que são certamente mais de 100 mil alunos" sem todos os professores atribuídos, avançou esta terça-feira o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, durante uma conferência de imprensa em que revelou os resultados de um inquérito realizado junto das escolas de todo o país.

O levantamento realizado entre os dias 16 e 23 de setembro com base nas respostas de 27% das escolas do país revelou que a falta de docentes abrange praticamente todas as disciplinas e todas as zonas do país.

"Nestas duas semanas, até dia 23, o ano letivo abriu com ¾ das escolas, ou seja, 73,7% a terem falta de professores", disse Mário Nogueira, explicando que existem situações muito dispares que vão desde estabelecimentos de ensino onde faltam apenas um docente até casos em que faltam 34: "Tudo aconteceu nas escolas", disse.

Em 73,7% das escolas faltavam sobretudo professores de Informática, Físico-Química, Português, Matemática, Biologia-Geologia, mas também de educadores de infância e professores do 1.º ciclo, segundo os resultados do levantamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG