Eva Lopes, a pasteleira que conquistou o ouro com Camões

Cake designer, de 31 anos, distinguida num concurso internacional de decoração de bolos com uma representação de Luís de Camões

A paixão pela pastelaria nasceu ainda na infância. Aos 10 anos, já os cabelos se prendiam na batedeira quando tentava fazer um bolo sozinha. "Um episódio trágico", que augurava um futuro de sonho no mundo da doçaria. Depois de três distinções, a cake designer, de 31 anos, recebeu recentemente uma medalha de ouro com uma homenagem ao poeta Luís de Camões, no Cake International, em Londres, considerado o maior concurso de decoração de bolos da Europa.

No design de bolos, como na vida, não existem impossíveis para Eva. É possível fazer tudo, desde que haja imaginação, dedicação e trabalho. Formada em Contabilidade, deixou o emprego ao fim de três anos e meio para se dedicar em exclusivo à sua grande paixão: os bolos.

Tirou o curso de Pastelaria à noite e fez várias formações com especialistas nacionais e internacionais. "Comecei por criar coisas simples, mas sempre a querer evoluir. Agora vejo que os primeiros ficaram horríveis", diz, com um sorriso, a decoradora de bolos.

Desde há quatro anos que Eva, natural de Aveiro, participa no concurso internacional, sempre na categoria de representação do país. "Acho que temos de representar o que é nosso", justifica. Com as casas típicas da Costa Nova arrecadou o bronze, com a Torre de Belém a prata e com as pipas de ovos-moles conseguiu uma distinção de mérito. Luís de Camões levou-a conquistar o ouro. Preparou o busto durante 15 dias e levou-o já finalizado, dentro de uma caixa de madeira. "Ansiava o ouro e dei mesmo o meu melhor. Fiquei em êxtase quando percebi que tinha conseguido a medalha. Foi a loucura", recorda.

Dentro da arte de decorar bolos, há algo que lhe dá especial prazer: o 3D. "Mas não é o que sai mais, até porque os bolos ficam mais caros." Um bolo normal terá um peso mínimo de dois quilos, e cada um custa 18 euros. No caso do 3D, bolos recortados ou esculpidos, o preço ascende para os 20 euros por quilo. Cada vez mais, diz, as pessoas "querem bolos que marquem a diferença".

Não existem limites no que diz respeito ao cake design. Basta imaginar e aliar os sabores ao design. Além dos tradicionais - mas cada vez mais inovadores - bolos de noiva, há quem procure personagens de desenhos animados, objetos, representações de profissões. A lista dos maiores bolos que já fez é liderada por um pedido dos Xutos e Pontapés: 50 quilos. Entre os mais trabalhosos destaca uma réplica de um leitão da Bairrada.

Eva dá formações de cake design individuais e em grupo e colabora com publicações de culinária. Há dois anos, convidou 20 famosos para se aventurarem na decoração de bolos e publicou um livro com o resultado. Na capa, o seu Bob Esponja.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?