Estudo internacional descobre forma de aumentar sobrevivência de células

Descoberta foi feita por investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular e da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Um estudo internacional desenvolvido por uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) descobriu uma forma de aumentar a sobrevivência de células estaminais após transfusão sanguínea, foi hoje anunciado.

"A maioria das células estaminais progenitoras vasculares, utilizadas para regenerar o fluxo de sangue nos tecidos afetados por paragem cardíaca ou AVC (acidente vascular cerebral), morrem depois de serem injetadas. A morte destas células está associada à presença de uma molécula (microRNA-17)", refere um comunicado da UC.

Os investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Medicina da UC descobriram que "a adição de uma proteína imobilizada em micropartículas, chamada 'fator de crescimento endotelial vascular', a células progenitoras vasculares, pode aumentar o seu tempo de sobrevivência ao reduzir a quantidade de microRNA-17".

Citada no comunicado, Sezin Aday, primeira autora do artigo publicado na Nature Communications, explica o processo: "Injetámos células progenitoras vasculares, transfetadas com um inibidor do microRNA-17, no músculo da perna de animais que tinham perdido fluxo sanguíneo, e conseguimos recuperar esse fluxo".

"A inibição de microRNA-17 aumentou o período de sobrevivência das células progenitoras vasculares que lhes permitiu criar novos vasos sanguíneos no músculo", explica a investigadora.

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo programa ERA Chair em envelhecimento (Horizonte 2020), o estudo foi coordenado por Lino Ferreira, líder do Grupo de Investigação "Biomateriais e terapias baseadas em Células Estaminais" do CNC e investigador coordenador da Faculdade de Medicina da UC.

A investigação contou ainda com a colaboração da Universidade do Texas em Austin, Universidade de Bristol, Universidade de Aveiro, Universidade do Porto, Universidade da Beira Interior, Massachusetts Institute of Technology e Imperial College of London.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.