Esta mulher é alérgica ao marido

Johanna Watkins não consegue tocar nem estar no mesmo espaço que o marido sem colocar a sua vida em risco

O casamento de Johanna e Scott Watkins sofreu um grande e inesperada abalo quando a mulher foi diagnosticada com síndrome de ativação de mastócitos, uma rara e grave doença que afeta o sistema imunológico. Isto porque, além de centenas de outras coisas, Johanna tornou-se alérgica ao marido.

A mulher de 29 anos do estado norte-americano do Minnesota vive num quarto isolado no sótão que tem as janelas e porta seladas e vários purificadores de ar porque é alérgica a quase tudo - desde o ambiente exterior, ao cheiro da pizzaria final da rua, a muitos alimentos e ao cheiro do marido.

As células de Johanna que deveriam protegê-la de ataques externos estão a atacar o seu próprio corpo. Os sintomas da doença variam de pessoa para pessoa e no caso de Johanna o contacto com algum alergénio pode ser fatal. A professora entra em choque anafilático e em pouco tempo deixa de conseguir respirar, segundo a BBC.

Johanna e Scott casaram-se em 2013 - antes de a doença se ter agravado tanto - e conseguiam levar uma vida quase normal até pouco tempo. Na altura em que os sintomas de Johanna se resumiam a enxaquecas, erupções cutâneas e problemas intestinais, o casal costumava fazer caminhadas e passar o máximo de tempo possível junto.

No entanto, a doença foi-se agravando até que, no ano passado, os dois perceberam que estarem no mesmo espaço físico poderia ser fatal para Johanna.

"Nós reparámos que eu me sentia cada vez pior quando o Scott entrava [no quarto]. Os meus sintomas diários pioravam", explicou Johanna. "Até que uma vez ele foi cortar o cabelo e regressou ao quarto e passados dois minutos comecei a ter sintomas de um choque anafilático. Ele teve de sair".

Passou uma semana até Scott voltar a tentar entrar no quarto e estar ao lado da mulher, mas a reação de Johanna foi a mesma.

"Foi horrível perceber que não ia resultar", contou Johanna. "Eu estava a ter uma forte reação alérgica ao meu marido. Já tinha tido antes aos meus pais e a muitas, muitas pessoas, mas foi horrível quando foi o Scott".

Johanna já experimentou vários medicamentos e tratamentos para a síndrome de ativação de mastócitos, incluindo quatro sessões de quimioterapia, mas nenhum fez efeito. "Eles [os médicos] não sabem se eu vou ficar bem então nós rezamos para que isso aconteça", disse Johanna. "Já tive mais choques anafiláticos do que alguém pode contar. A minha vida pode acabar rapidamente. É frágil".

Scott garante que vai ficar ao lado da mulher - mas à distância - até ao fim. "Uma das maneiras que tenho de tomar conta dela agora é não estando com ela. Não vou colocar a vida dela em risco", disse o marido. "Nós estamos absolutamente comprometidos um com outro e vamos esperar o tempo que for preciso para ver se encontramos uma cura".

Para já, o casal vive na casa de amigos enquanto a sua habitação está em obras para se tornar mais segura para Johanna. A família que acolheu o casal tem quatro filhos com menos de 9 anos e aceitou ceder um dos três quartos a Johanna e deixar de cozinhar em casa, pois ela é sensível aos cheiros.

Johanna só consegue comer 15 alimentos diferentes e todas as noites Scott, que é professor, cozinha para ela na casa dos vizinhos.

Ela não sai do sótão há mais de um ano, tirando para ir ao hospital, e usa o Skype e o telemóvel para falar com o marido, amigos e família.

Ainda assim, Johanna consegue ver o lado bom da vida e agradecer por tudo o que tem. "Tenho muitas bênçãos na minha vida pelas quais tenho de agradecer", disse a mulher.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG