Este dinossauro tem bico, penas e é do tamanho de um peru

A imagem revelada do dinossauro que se parece com uma ave foi reconstruída a partir de um fóssil do esqueleto completo da espécie

Psittacosaurus é o nome desta pequena espécie, que aparentemente tem um bico que se parece ao de um papagaio e penas na cauda.

A foto do dinossauro que viveu nas densas florestas da China há 120 milhões de anos, foi revelada esta quinta-feira. A imagem real do animal foi reconstruída em 3D a partir do fóssil de um esqueleto completo encontrado na China, que ajudou os investigadores a descobrir a cor e o padrão da camuflagem do Psittacosaurus.

O autor da reconstrução é o paleoartista Bob Nicholls e o fóssil que revela o esqueleto completo do Psittacosaurus foi descoberto por uma equipa de investigadores da Universidade de Bristol (Inglaterra), Frankfurt (Alemanha) e Hong Kong (China), liderada por Jakob Vinther, da universidade britânica. O fóssil está atualmente exposto num museu de Frankfurt.

Este dinossauro não se parece com aqueles que já conhece, tem o tamanho de um peru, um bico parecido ao de um papagaio e uma cauda com penas. Os cientistas consideram ainda que a espécie era inteligente devido ao tamanho do cérebro e que os olhos grandes indicam que tinha boa visão.

O animal passava despercebido aos predadores, nas florestas densas, através da "camuflagem" que só era possível devido ao tom de pele escuro.

Segundo explicou Jakob Vinther ao portal "Business Insider", um fóssil preserva pigmentos intactos, que funcionam como refletores de sombras, tornando o animal 'invisível' aos olhos de um observador.

A imagem revelada agora do Psittacosaurus alimenta as teorias de que os dinossauros seriam provavelmente mais parecidos com as aves do que com os lagartos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.