Último balanço da explosão em Lamego: seis mortos e dois desaparecidos

O corpo da sexta vítima mortal foi encontrado a 200 metros do local da explosão

O secretário de Estado da Administração Interna confirmou ao meio-dia desta quarta-feira que já foi encontrado o corpo de mais uma vítima mortal da explosão na fábrica de pirotecnia em Avões, Lamego. Nesta altura, o balanço é de seis mortos e dois desaparecidos, tendo sido alargado o perímetro de busca, ao início da tarde, de 800 para mil metros.

O corpo da sexta vítima mortal foi encontrado a 200 metros do local da explosão. "Foi uma explosão de dimensão incalculável", frisou Jorge Gomes.

"Vai ser aumentado novamente o perímetro de pesquisa, vamos passar para um diâmetro de mil metros. Neste momento, já estão a ser retirados explosivos da zona onde se deu o acidente para os operacionais poderem intervir e verem se, nos poucos escombros que existem, aparecem alguns indícios dos desaparecidos", informou Jorge Gomes.

De acordo com o governante, também o número de operacionais aumentou, passando para 90, apoiados por 32 veículos.

"Estamos a retirar escombros para retirar explosivos e há explosivos que ainda não explodiram e que vai ser necessário explodir. É uma operação de grande sensibilidade e dimensão", acrescentou.

Jorge Gomes reiterou ainda aos jornalistas que está a ser feita a identificação dos corpos, que pretende que aconteça "o mais rapidamente possível", para que depois sejam entregues à família" para poderem fazer o seu luto.

"[O processo de identificação dos corpos] vai levar tempo. Há muito fragmento de corpos espalhados e tudo isso leva o seu tempo, mas vamos continuar a trabalhar no grande desígnio que é para nós, neste momento, dar conforto às famílias, numa desgraça, que é receber o corpo do seu familiar", sustentou.

No local, estão elementos do Instituto de Medicina Legal do Porto e de Coimbra, para auxiliar na identificação das vítimas.

Familiares com apoio psicológico

Antes, o secretário de Estado da Administração Interna já tinha adiantado que as famílias das vítimas estão com "apoio psicológico permanente" e que, nesta altura, a prioridade das autoridades é "encontrar as oito pessoas que estavam no perímetro". "É isso que nos preocupa", frisou.

Questionado se ainda havia esperança de encontrar pessoas com vida, o secretário de Estado respondeu apenas: "não me atrevo a dizer isso". E acrescentou que "foi uma explosão fora do normal".

As explosões ocorreram cerca das 17:50 de terça-feira e deixaram destruída uma fábrica de pirotecnia em Avões, Lamego. Morreram seis pessoas e duas outras encontram-se desaparecidas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG