Dias mais quentes, noites frias: assim vai o outono

Depois de um setembro que fica para a história como o terceiro mais quente desde 1931, outubro continua acima da média

Já reparou que os dias têm estado mais quentes do que o habitual? E as noites mais frias? De acordo com os dados do Instituto Por-tuguês do Mar e da Atmosfera (IPMA), nos primeiros dias de outubro as temperaturas máximas foram mais elevadas do que é normal nesta altura - embora ainda longe dos valores atingidos em 2011 -, mas as noites têm estado mais frias. Apenas Portalegre teve uma temperatura mínima superior a 20 graus no passado dia 5. Mas o bom tempo não veio para ficar. Para hoje está prevista chuva e uma descida das temperaturas máximas em todo o país.

"Nos primeiros nove dias de outubro, o valor da temperatura média (17,65°C) foi superior em 1,44°C o valor normal para o mês", adiantou ao DN o Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Mas enquanto as temperaturas máximas do ar foram superiores ao valor normal, o valor médio da temperatura mínima foi inferior. À exceção do dia 1 de outubro, os valores da mínima foram sempre inferiores à média. Daí que as noites estejam mais frias do que é o normal para esta altura.

Depois de vários meses a bater recordes de temperaturas - agosto foi o mais quente desde que há registos, julho o segundo mais quente - o passado mês de setembro fica na história como o terceiro mais quente desde 1931.

Já o dia mais quente do ano foi o 6 de setembro, com uma temperatura média de 29,2 graus. Neste dia, diz o IPMA, "os valores médios da temperatura máxima (38,6 graus) e mínima (19,8 graus) correspondem também aos valores mais altos do ano". Em 73% das estações meteorológicas, foram excedidos os recordes de temperatura máxima. De salientar, ainda, "a ocorrência de uma onda de calor com início no final de agosto ou 1 de setembro, em grande parte das regiões do Norte e Centro e interior do Alentejo".

Em setembro, as estações do IPMA registaram 45 graus na Lousã (Coimbra), 44,3 na Amareleja e em Beja (Alentejo), e 44,1 em Pegões (Montijo). Já em Lisboa, os termómetros atingiram os 41,4 graus e em Setúbal 42,1. Segundo o IPMA, o estado do tempo foi principalmente condicionado por um anticiclone localizado na região dos Açores, que "por vezes se estendeu em crista sobre o golfo da Biscaia". O valor médio da quantidade de precipitação (24,3 milímetros) foi inferior ao normal, o que "permite classificar este mês como seco".

Para já, embora outubro esteja a ser mais quente do que o normal, ainda não está a bater os recordes de 2011, ano em que se registaram as temperaturas mais elevadas desde 1931. O que não quer dizer que isso não possa vir a acontecer. Nesse ano, os dias 14 e 15 de outubro foram mesmo os mais quentes do mês, com as máximas a atingir quase os 37 graus na estação da Amareleja. Mas, a avaliar pelas previsões, parece difícil: para amanhã é esperada uma descida das temperaturas, acompanhada por aguaceiros.

Ao DN, Bruno Café, meteorologista do IPMA, adiantou que é esperada uma descida das temperaturas máximas de "quatro a oito graus" entre hoje e amanhã, dia em que as máximas deverão andar abaixo dos 20 graus em grande parte do território nacional. O meteorologista diz que há uma tendência para os dias voltarem a ficar mais quentes no domingo (com uma subida de três a cinco graus), mas as previsões ainda podem sofrer alterações.

As noites de hoje e amanhã serão mais quentes do que as últimas, mas a temperatura mínima volta a descer na quinta-feira. Para hoje à tarde estão previstos aguaceiros no Minho e Douro Litoral, que depois se estendem ao resto do país. Amanhã, os "aguaceiros podem ser fortes e acompanhados por trovoada". Na quinta-feira, "diminuem de frequência e intensidade ao longo do dia" e sobretudo no Norte e Centro do país, onde poderá voltar a chover no fim de semana, mas com menor intensidade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG