Diabetes ainda mata 12 pessoas por dia

Foram 4406 as pessoas que morreram da doença crónica. Por dia há 168 novos casos. Envelhecimento é uma das causas

Há um crescimento acentuado de novos casos de diabetes diagnosticados em Portugal em 2015, ao ritmo de 168 por dia (mais 18 do que em 2014). A doença crónica afeta mais de um milhão de pessoas na faixa dos 20 aos 79 anos e ainda dois milhões de pessoas na fase de pré-diabetes. Mata 12 pessoas por dia (4406 óbitos em 2015, mais 131 do que em 2014) e é a causa de três amputações por dia.

Estes são alguns dos números que "envergonham" Portugal, e que constam do último relatório "Diabetes: Factos e Números", do Observatório Nacional da Diabetes (OND). O documento será hoje divulgado na Assembleia da República pelo ministro da Saúde.

"Os novos casos de diabetes devem-se, em grande medida, ao envelhecimento da população portuguesa. Hoje Portugal está no topo dos países europeus com maior prevalência da diabetes, devido à diminuição da natalidade e ao envelhecimento da sua população", avalia José Manuel Boavida, presidente do Conselho Científico do OND. A prevalência da doença é de 13,3% em Portugal, na população dos 20-79 anos, com 56% das pessoas com a doença já diagnosticada e outros 44% em que ainda não tinha sido diagnosticada.

Quase metade (40,7%) da população portuguesa adulta já tem diabetes ou pré-diabetes, o que corresponde a mais de 3,1 milhões de pessoas.

O relatório mostra também que houve um aumento do número de mortes de diabéticos no hospitais do Serviço Nacional de Saúde. Em Portugal, 25,9% das mortes nos hospitais do SNS foram de diabéticos, num total de 12779 pessoas em 49334 óbitos nos hospitais.

"É preciso apostar em políticas globais de prevenção. Temos tido uma política desastrosa de apoio à natalidade. E o incentivo à natalidade é fundamental para inverter a tendência de envelhecimento", comenta José Manuel Boavida.

Na população idosa, a diabetes está galopante: mais de uma em cada quatro pessoas entre os 60-79 anos tem a doença. Em teoria, seriam os mais velhos a ter os melhores hábitos alimentares. Mas até isso mudou. "A distribuição dos alimentos hoje, o papel das grandes superfícies comerciais, o desaparecimento das mercearias de bairro e a diminuição dos produtos frescos disponíveis, levaram a uma modificação de hábitos, até entre os mais idosos", analisa o presidente do Conselho Científico do OND. E lembra que nos últimos 25 anos "foram introduzidos mais de dois mil produtos químicos na alimentação".

A obesidade infantil é uma das consequências dos maus hábitos alimentares. Por todos estes motivos, José Manuel Boavida garante que "tem de haver uma visão global de saúde pública, a pensar no urbanismo, nas condições de vida das pessoas, na alimentação, entre outros fatores". Em Portugal, na sua opinião, "tem-se feito muito pouco ou quase nada em prevenção da diabetes. Depois, acontece como nos incêndios: andamos a apagar fogos", critica o responsável.

Custo por pessoa: 1893 euros

E os "fogos" provocados por esta doença saem bem caros ao Estado. A diabetes custa 1893 euros por pessoa, o que representa um custo de 1936 milhões de euros. Ou seja, foi 1% do Produto Interno Bruto (PIB) português e 12% da despesa da Saúde em 2015.

O custo médio das embalagens com medicamentos da diabetes mais do que duplicou o seu valor nos últimos 10 anos: foram de 238,8 milhões de euros em 2015 (mais 269% face a 2006, quando se situou nos 65,9 milhões de euros). O relatório mostra ainda outro fator preocupante: a subida da diabetes gestacional. Um total de 4847 mulheres foram diagnosticadas com diabetes gestacional em 2015 (em 2006 eram 2987), numa prevalência de 7,2%. Valor que sobe para 15,9% nas mulheres com mais de 40 anos.

"É um número incrível nas grávidas. A prevalência de diabetes gestacional nas mulheres entre os 20 e os 30 anos já é de quase 5%. Por isso defendo que a gravidez devia ser acompanhada na fase pré-concepcional para redução do peso e promoção da atividade física", conclui José Manuel Boavida.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...