Dez animais de espécies protegidas mortos por envenenamento

Um milhafre-real está em recuperação, mas outros nove e uma raposa morreram

Dez animais de espécies protegidas foram encontrados mortos, alegadamente envenenados, na última semana, na Zona de Proteção Especial (ZPE) de Castro Verde, no distrito de Beja, divulgou hoje a Liga para a Proteção da Natureza (LPN).

Em comunicado enviado à agência Lusa, a LPN diz ter encontrado também um milhafre-real, ainda com vida, que apresentava sintomas de envenenamento, tendo encaminhado o animal para um centro de recuperação, em Olhão, no distrito de Faro, onde ainda se encontra a recuperar.

Na última semana, segundo a associação ambientalista, uma equipa cinotécnica da GNR detetou na mesma zona uma raposa morta e os cadáveres de mais cinco milhafres-reais e de uma águia-imperial-ibérica, todos com "fortes indícios" de envenenamento.

"A situação continuou, no dia seguinte, com a deteção de mais três cadáveres de milhafres-reais, perfazendo um total de 11 animais envenenados", escreve, referindo que "tudo parece indicar" que os casos têm "uma origem comum".

A LPN adianta que as equipas do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR "têm vindo a recolher os cadáveres encontrados" e "outras evidências", que "foram encaminhadas para análises forenses e que possibilitarão a confirmação da causa de morte, a identificação da substância utilizada e o autor do crime".

"Este novo episódio de envenenamento massivo, o maior identificado, até agora, na ZPE de Castro Verde, não é um caso isolado, existindo um demasiado longo historial de eventos de envenenamento identificados nos últimos anos", assinala.

A organização não governamental diz que "o flagelo do uso ilegal de venenos continua a atingir muitas regiões rurais" do país, alertando que o risco de envenenamento ameaça "a conservação da natureza, mas também a saúde pública das comunidades locais".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.