Depois das indústrias criativas, Marvila passa a distrito da cerveja artesanal

Bairro acolhe amanhã a primeira iniciativa do Lisbon Beer District: a Oktober Festa, lançada pelas três cervejeiras instaladas no bairro. Objetivo é criar "núcleo de cerveja artesanal"

No quarteirão da Rua do Açúcar com a Capitão Leitão concentram-se três cervejeiras artesanais. A coopetição (junção das palavras cooperação e competição) entre elas levou-as a criar o Lisbon Beer District (distrito cervejeiro de Lisboa). A primeira iniciativa da marca com que querem identificar o bairro acontece já amanhã. A Oktober Festa vai ter concertos, street food e cerveja. Para a ocasião foram criadas três cervejas feitas em conjunto pela Musa, Dois Corvos e Lince.

"É uma maneira de celebrar Marvila que foi um bocado esquecida durante uns tempos e é uma pequena maneira de reativarmos Marvila, não só os espaços, mas também as pessoas. Nos restaurantes, galerias de arte começarem a celebrar o facto de estarmos num bairro que gostamos bastante", aponta António Carriço, da cervejeira Lince. O Lisbon Beer District é explicado por Susana Cascais, da Dois Corvos, como "uma forma de criar e dinamizar a cultura da cerveja artesanal". Os três empresários esperam que os exemplos bem sucedidos de outros países possam ser replicados na capital portuguesa.

Sublinhando que os portugueses ainda desconhecem o mundo da cerveja artesanal, as três marcas decidiram criar três cervejas novas. "São todas com motivos alemães, para aproveitarmos o mote Oktoberfest. Uma Weissbier, uma Märzen (cerveja típica da Baviera e conhecida como a Oktoberfest) e uma IPA, que é muito associada a este movimento nos EUA, mas que aqui é alemã", enumera Bruno Carrilho, da Musa. Também os restaurantes que se associam à festa têm ementas de inspiração alemã.

Uma forma de mostrar aos visitantes que não há apenas "a imperial" e que uma cerveja artesanal tem muito que se lhe diga. "Há muitas receitas diferentes. Há uma grande variedade de cerveja, as pessoas começam a perceber que há vários tipos como os vinhos e as castas. As nossas uvas são a cevada e o malte", explica António Carriço. Além da diversidade, a qualidade dos produtos distingue uma cerveja artesanal de uma industrial. "As escolhas feitas a nível de processo e ingredientes são feitas para melhorar a cerveja e não para reduzir custos, essa é a grande diferença", acrescenta Bruno Carrilho.

Em Marvila desde 2014 - a Dois Corvos - e de 2015 - a Lince e a Musa -, as três empresas participaram na reabilitação do bairro. "Quando chegámos o declínio ainda era evidente", recorda Susana Cascais. Mas em menos de um ano, no final de 2015, quando Bruno Carrilho e o sócio chegaram para instalar a Musa, já apanharam "o último armazém disponível", admite. Neste momento, já é difícil encontrar espaços em Marvila e a preços ainda em conta. "Ficou tudo um bocadinho inflacionado". Também porque os antigos armazéns atraíram a atenção de uma série de indústrias criativas, espaços de cowork, galerias de arte e restaurantes.

E os três cervejeiros querem ainda impulsionar mais o bairro. "Queremos comunicar às pessoas que há aqui uma zona da cidade em que faz sentido virem beber um copo e divertirem-se um bocadinho. E que as pessoas não venham a um único sítio, mas que olhem para a zona da cidade como um todo, que digam "vamos a Marvila ver o que está a acontecer". O Lisbon Beer District é uma marca chamariz das pessoas virem cá e temos ideia de fazer eventos regulares, queremos que seja mais ou menos trimestral", antecipa Bruno Carrilho.

Além da Lisbon Beer District, hoje Marvila acolhe também a Poster, a mostra pública de arte que vai estar espalhada por vários espaços do bairro.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.