Envolvimento de crianças em touradas está a ser investigado

As queixas da plataforma anti touradas Basta estão a ser investigadas

O envolvimento de crianças em touradas está a ser investigado por várias entidades, depois de denúncias da participação de dois menores num espetáculo tauromáquico em Elvas, noticiou esta terça-feira o Público.

Segundo o jornal, o evento ocorreu nos dias 13 e 14 de outubro e Luís Carvalho, da Associação dos Romeiros de Vila de Boim, confirmou que na "Fiesta do Toureiro" as crianças, com a devida autorização dos pais, podem participar no âmbito de uma demonstração escolar.

"Vieram com as escolas e trouxeram a papelada toda necessária com eles, seguro de saúde e tudo", disse ao Público Luís Carvalho.

Segundo a plataforma Basta, as crianças tinham nove e dez anos e ambas têm nos pais exemplos de participantes em touradas. Uma era filha de um cavaleiro tauromáquico e outra de um bandarilheiro.

"O Comité dos Direitos da Criança, bem como a consequente legislação do governo português, vem finalmente atestar inequivocamente que a tourada constitui um espetáculo violento e, como tal deve estar sujeito às mesmas restrições etárias que outros espetáculos", afirma no seu site esta plataforma.

"Os riscos para a integridade física das crianças que participam ativamente em espetáculos tauromáquicos são óbvios e inquestionáveis, tendo em conta a estatura e força dos animais envolvidos", acrescenta.

"Uma criança com idade inferior a 16 anos necessita de autorização da CPCJ da área de residência ou eventualmente, em condições específicas como a das crianças estrangeiras, do município onde decorre (o espetáculo)", confirmou ao jornal Público a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Elvas. Acrescentando que no caso de Elvas a CPCJ não recebeu qualquer pedido de autorização, garantiu que só teve conhecimento do evento após a realização do mesmo.

O inspetor-geral das Atividades Culturais, Luís Silveira Botelho, confirmou a denúncia da entidade Basta e anunciou que a queixa está a ser analisada.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG