Comunidade Judaica faz queixa por autocolantes antifascistas na Sinagoga do Porto

Em comunicado, a comunidade repudia o "fascismo e quaisquer movimentos políticos".

A Comunidade Judaica do Porto apresentou esta quinta-feira uma queixa às autoridades por terem sido colocados autocolantes de uma rede antifascista alemã, "Anti Faschistishche Aktion", na Sinagoga do Porto, adiantou à Lusa.

"Merece repúdio a associação de sinagogas ao fascismo e a quaisquer movimentos políticos", considerou a Comunidade Judaica do Porto, em comunicado, adiantando que os autocolantes foram colocados às 6.20 horas, tendo por esse motivo participado o caso às autoridades para investigação.

"Já durante o PREC [Processo Revolucionário em Curso] os movimentos de extrema-esquerda ocuparam as fábricas de membros da comunidade dizendo que eles eram fascistas, ao passo que os movimentos de extrema-direita vandalizaram a sinagoga pelo facto de a associarem ao comunismo", recordou.

Esta situação acontece num momento em que se verifica uma escalada de violência entre Israel e Palestina, que começou há quase duas semanas, e que já causou pelo menos 240 mortes, a grande maioria palestinianos, e milhares de feridos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG