Comandante operacional assume "situação complexa" em Pedrógão

Ministra da Administração Interna não comenta inquérito aberto pelo Ministério Público às 62 mortes no incêndio

O comandante operacional do combate ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande admitiu, este domingo à noite, ter pela frente uma "situação complexa". "Um incêndio com vários fogos", disse Elísio Oliveira, comandante distrital da Proteção Civil de Setúbal, que assumiu o comando de operações em Pedrógão Grande. Comando este que, já durante a noite de domingo, foi transferido para Avelar, concelho de Ansião.

Num briefing aos jornalistas e debaixo de uma chuva de cinzas, Elísio Oliveira começou por revelar pela primeira vez que o incêndio já está "em três distritos", afetando vários municípios e freguesias. Quanto ao risco de as linhas de fogo se cruzarem, Elísio Oliveira considerou tal cenário como incerto: "isso tanto pode ser favorável como não favorável", declarou, acrescentando que os comandantes no terreno é que terão de tomar as decisões sobre como atacar o fogo.

Por sua vez, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, não quis comentar o anúncio da Procuradoria-geral da República sobre um inquérito-crime às mortes nos incêndios. A ministra realçou que a investigação da Policia Judiciária já concluiu que o incêndio teve origem em causas naturais,

Confrontada com um eventual pedido de demissão, Constança Urbano Sousa declarou: "este é um tempo de ação e não de demissão", deixando para o médio prazo uma avaliação sobre o dispositivo de combate.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG