Cobrança de "portagens" no Bom Jesus adiada devido a problema técnico

O aumento da procura deste local em Braga levou à decisão de cobrar o acesso automóvel

A cobrança de "portagens" na entrada de automóveis e motos na estância do Bom Jesus do Monte, em Braga, que deveria começar esta quinta-feira, foi adiada devido a um "problema técnico" nas máquinas de pagamento, informou fonte da confraria.

Segundo a fonte, a cobrança, fixada em um euro por veículo motorizado, arrancará "logo que aquele problema esteja resolvido".

A mesma fonte explicou que as máquinas estavam "fora de serviço" e as barreiras metálicas levantadas, o que permitiu o livre acesso dos automóveis

A Confraria do Bom Jesus já explicou que a decisão de taxar o acesso automóvel àquela estância se prende com a necessidade de, de forma a garantir a "integridade" de um conjunto monumental que é candidato a Património Mundial.

A Basílica do Bom Jesus foi recentemente integrada na lista indicativa nacional para posterior classificação como Património Mundial pela UNESCO.

A confraria sublinha que aquela classificação depende ainda de "investimentos muito relevantes" a realizar na requalificação do património cultural e natural da estância, afigurando-se, por isso, "imperioso manter a autenticidade e integridade do espaço".

Acrescenta ainda que, nos últimos anos, o aumento de procura do Bom Jesus tem "acarretado constrangimentos relacionados com a capacidade de carga do espaço", sobretudo nos períodos da primavera e verão.

Por isso, foi decidido cobrar um euro por cada veículo motorizado que entre na estância, tendo sido instaladas "praças de portagem" no acesso principal e ainda na entrada da "Mãe de Água".

Nos períodos de celebrações litúrgicas, o acesso continuará a ser gratuito, desde que efetuado 15 minutos antes do respetivo início.

Os utilizadores frequentes do Bom Jesus podem adquirir, por 10 euros, um cartão de apoio à candidatura a Património Mundial, com validade anual.

A confraria recorda que esta iniciativa não é pioneira no Bom Jesus, adiantando, na década de 90 do século passado, o parque para automóveis era pago, na entrada da Mãe d'Água.

Em 2014, a Confraria do Bom Jesus começou a cobrar pelo estacionamento de autocarros junto à basílica, num valor que varia entre os 10 e os 15 euros, consoante a lotação do veículo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG