Cinco dias de paixão com o comando de videojogos na mão

Até dia 5, vão ser apresentadas em Paris as novidades no que diz respeito aos jogos que serão comercializados nos próximos meses. Fãs são um espetáculo à parte em Versalhes

Fantasia, paixão, entusiasmo. Três palavras que ilustram na perfeição a oitava edição da Paris Games Week que até dia 5 vai concentrar o interesse dos amantes de videojogos que não vão perder a oportunidade de irem até Versalhes (arredores de Paris) e ficarem a conhecer as novidades neste mundo, seja por lazer ou numa vertente mais competitiva.

Com pessoas das mais diversas faixas etárias, com conteúdo e diversão para todos os gostos e idades, até domingo é possível também ver o próprio espetáculo apresentado pelos visitantes: estejam estes sorridentes em êxtase por experimentar em primeira mão os mais recentes jogos, sejam mais amantes da vertente competitiva, ou mesmo pessoas vestidas como os personagens preferidos, mesmo que estes não sejam de videojogos, mas sim de séries ou banda desenhada, por exemplo.

É um evento que traz à tona o universo bastante vasto de uma indústria que é das que mais dinheiro movimentam quando se fala em entretenimento.

Dentro desse universo, marcas que dispensam apresentação, como a Sony, com a PlayStation, a Microsoft, com a Xbox, e a Nintendo são provavelmente os estandartes para quem não tem uma relação tão próxima com o gaming.

O DN esteve presente nos eventos da Sony, anteriores ao arranque da Paris Games Week, e teve a oportunidade de ver, e inclusivamente experimentar, alguns dos novos jogos que prometem ter bastante sucesso, neste caso na PlayStation 4, e aqui deixa algumas das primeiras impressões.

Erica

Falar primeiro deste jogo faz todo sentido por diversas razões: foi o que mais expectativa deixou, teve uma das apresentações mais bem conseguidas e um programador português. Erica não é o futuro, mas é um futuro no que toca, sobretudo, ao entretenimento e à maneira de contar uma história. Totalmente baseado em filmagens reais, exige ao jogador, ou apreciador, visto que poderá levantar a questão sobre o facto de ser um jogo ou um filme interativo, um lote de escolhas para que a narrativa avance. Feito a pensar no Playlink (jogar PlayStation 4 a partir do telemóvel), Erica será um thriller, da duração normal de um filme, segundo nos foi dito, que vai exigir à pessoa que está a ver/jogar pensar bem naquilo que está a fazer para ajudar a resolver os mistérios colocados à personagem principal e, assim, avançar com a história. Independentemente das escolhas tomadas, as transições entre cenas são bastante suaves, dando claramente a sensação de uma narrativa fluida. Como pior está o facto de ainda não ter data marcada para o seu lançamento.

Detroit: Become Human

Mais um futuro, mas desta vez na própria história. Se no trailer foi apresentada uma história de violência doméstica, na apresentação que o DN jogou era exigido que se resolvesse uma crise de reféns. Mas tudo envolvendo androides. Controlando uma das máquinas com forma humana - que responde pelo nome de Connor -, o objetivo era salvar uma pequena menina de Daniel, o androide da família da criança e que, sem razão aparente, ameaça, de arma na mão e a menina bem agarrada, matar a criança. O robô desviou-se do seu comportamento normal relativamente àquela que é, no jogo, a sua relação com a raça humana. As mecânicas de descoberta de pistas que podem aumentar ou diminuir a hipótese de sucesso, bem como as várias hipóteses que nos foram apresentadas aquando da conversa entre os dois androides, com motivações completamente antagónicas, ajudou a perceber todo o burburinho que se tem gerado em torno deste jogo. Deverá estar à venda no próximo ano.

A surpresa Last of Us

Foi com grande surpresa, e depois bastante entusiasmo e muitas palmas, que o auditório presente no showcase da PlayStation recebeu as primeiras imagens da segunda parte de Last of Us, um dos jogos de maior sucesso na consola. O trailer começa de forma agressiva, violenta e explícita mesmo, até que surgem os monstros que tanto marcaram quem jogou o primeiro jogo. A questão é que a apresentação acaba logo de seguida.

Ainda em relação ao showcase, onde foram apresentadas várias novidades, destaque para Ghost of Tsushima. A expectativa em torno do jogo que se passa num Japão feudal é grande, mesmo dentro da Sony, que o escolheu para abrir a sua apresentação.

O jornalista viajou a convite da Sony Interactive Entertainment

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG