Cientistas conseguiram implantar tecido vivo produzido em impressora 3D

Experiência realizada em animais é mais um passo num processo que pode vir a revolucionar os processos de implantes

Cientistas dos Estados Unidos implantaram com êxito, em animais, estruturas de tecido vivo fabricadas com uma "sofisticada e melhorada" impressora 3D, revela um estudo publicado hoje na revista britânica Nature.

A técnica, desenvolvida pelo Wake Forest Baptist Medical Center, na Carolina do Norte, representa um avanço para a medicina regenerativa, pois indica que estas estruturas poderão ser futuramente implantadas em doentes, superando "vários obstáculos técnicos" que o dificultam na atualidade, destacam os autores em comunicado.

Os investigadores imprimiram estruturas cartilagíneas, ósseas e musculares "estáveis" que, após implantadas em roedores, progrediram até se converterem em tecido funcional, tendo desenvolvido um sistema de vasos sanguíneos.

Embora o tecido ainda não esteja pronto para ser aplicado em doentes, os primeiros resultados do estudo levam a crer que as estruturas criadas têm "o tamanho, a solidez e a funcionalidade adequadas para serem usadas em humanos", referem os autores do estudo.

"A nova impressora de tecidos e órgãos é um passo importante no nosso objetivo de fabricar tecidos de substituição para doentes", disse Anthony Atala, diretor do Instituto de Medicina Regenerativa do Wake Forest.

Em breve, poderão ser replicados os tecidos e órgãos mais complexos do corpo humano

De acordo com o cientista, a bioimpressora 3D pode fabricar "tecido estável à escala humana de qualquer forma e tamanho", o que permitirá a impressão de "tecido vivo e estruturas de órgãos para implantação cirúrgica".

A investigação do Instituto de Medicina Regenerativa do Wake Forest teve o financiamento do Instituto de Medicina Regenerativa das Forças Armadas dos EUA, que pretende aplicar a criação em soldados feridos, dada a escassez de doadores de tecidos para implantes.

A precisão da nova impressora permite que, em breve, possam ser replicados os tecidos e órgãos mais complexos do corpo humano.

Desenvolvido ao longo dos últimos dez anos, o Sistema Integrado de Impressão de Tecidos e Órgãos recorre a materiais plásticos e biodegradáveis para criar a "forma" do tecido e o gel de base aquosa que mantém as células.

Outros dos desafios para a engenharia de tecidos é fazer com que as estruturas implantadas vivam o tempo suficiente para que possam integrar-se no corpo.

Nesse sentido, os investigadores otimizaram a "tinta" de água utilizada nas células para melhorar a sua "saúde" e promover o seu crescimento, ao mesmo tempo que imprimiram uma rede de "microcanais" nas estruturas, de modo a que os nutrientes e o oxigénio presentes no corpo humano se integrem nas estruturas implantadas, as mantenham vivas e desenvolvam vasos sanguíneos.

O diretor do Instituto de Medicina Regenerativa do Wake Forest e os colegas conseguiram já criar uma orelha minúscula que sobreviveu e apresentou sinais de vascularização um a dois meses após ser implantada.

O Sistema Integrado de Impressão de Tecidos e Órgãos revelou ainda capacidade para processar dados de tomografias e de ressonâncias magnéticas e "fabricar tecido à medida" de cada paciente.

Exclusivos