GNR alarga buscas para encontrar Noah. 127 operacionais no terreno

As buscas para encontrar Noah, menino de dois anos, estão a mobilizar cerca meia centena de pessoas, seis dezenas de efetivos no terreno, drones e equipas cinotécnicas, disse ao DN o Comando Territorial da GNR de Castelo Branco.

A GNR disse esta quinta-feira à tarde que vai alargar as buscas para encontrar uma criança de dois anos e meio que está desaparecida desde quarta-feira em Proença-a-Velha, no concelho de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco.

Em declarações aos jornalistas, no posto de comando instalado junto à igreja matriz de Proença-a-Velha, o capitão Jorge Massano, da GNR de Castelo Branco, referiu que as buscas vão ser "alargadas de fora para dentro, com recurso a veículos todo o terreno".

Na conferência de imprensa, o responsável pela operação disse que o "esforço das buscas" vai incidir numa área onde foi encontrada uma bota e uns calções de criança, que fica a cerca de 1300 metros do sítio onde já tinha sido encontrado uma camisola de criança.

Segundo Jorge Massano, nas operações continuam envolvidos 127 elementos, entre GNR, bombeiros, proteção civil municipal, sapadores florestais e voluntários, com apoio de equipas cinotécnicas, drones e mergulhadores, que estão a vistoriar poços e linhas de água.

No entanto, adiantou que está a ser estudado o reforço de meios, o que às 16.00 ainda não se verificava.

O capitão Jorge Massano disse ainda aos jornalistas que, para já, não existe qualquer previsão para a interrupção ou cancelamento das buscas, e que os pais da criança desaparecida têm colaborado nas operações.

Além de elementos das autoridades e de vários populares, os pais da criança também estão a participar nas buscas. "Efetivamente os pais estão no terreno juntamente com os nossos militares e com a nossa coordenação", disse o oficial de comunicação e relações públicas do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco, Jorge Massano.

Foi localizada, "ainda ontem", a cadela, que terá acompanhado Noah no desaparecimento e "foi localizada uma t-shirt que se presume ser do menino", tendo sido "identificadas umas pegadas de criança, presumivelmente também poderão ser do menino", explica o coronel Tavares.

Os meios no terreno estão concentrados neste local, que se situa a cerca de dois a três quilómetros da casa de onde o menino desapareceu, mas sem descurar outros locais.

O perímetro das buscas tem vindo a ser alargado e já deve ter uma dimensão de cerca de 10 quilómetros, sendo que fora deste perímetro decorrem buscas "menos intensas".

Sete mergulhadores fazem buscas em poços da região

A participar nestas operações, estão sete mergulhadores "a verificar os poços e as linhas de água", da região. O responsável explicou ao DN que parte dos poços estão cobertos por vegetação, cujo acesso não é nada fácil, muito menos para uma criança".

Numa outra atualização feita esta manhã, o capitão Jorge Massano, oficial de comunicação e relações públicas do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco, confirmou que foram encontradas, durante a noite, pegadas compatíveis com as de uma criança próximo do local onde foi descoberta uma peça de roupa e onde foi encontrada a cadela "que supostamente acompanhou a criança no seu desaparecimento".

Entretanto, a GNR anunciou que encontrou um par de botas e apurou que a ribeira não teria força para levar o corpo de uma criança.

"Neste momento, considerando as condições de luminosidade que voltaram a ajudar as operações no terreno, foi reajustado o dispositivo. Neste momento contamos com 62 militares da GNR", com diversas valências desde cinotécnica e meios aéreos", disse Massano aos jornalistas.

Referiu ainda que a equipa de mergulhadores está a averiguar os poços existentes na região. "Uma das missões noturnas foi o reconhecimento de áreas que nos permitiu verificar alguns pontos de água, serão exercidos esforços nesse sentido e será uma ação desenvolvida pelos mergulhadores que estão já no local", explicou o militar.

"São diversos poços que se encontram dispersos ao longo do terreno, alguns tens vedação à volta e outros não. É uma situação que será avaliada agora pelos técnicos no terreno que permitam realizar qualquer ação nesse sentido", detalhou Jorge Massano.

O capitão da GNR referiu, entretanto, que foi instalado um posto junto à capela da localidade "na eventualidade de mais alguns populares" quererem participar nas operações, "e no sentido de racionalizar meios", de modo a determinar a melhor de ajudar, sempre em articulação com as autoridades.

O oficial de comunicação e relações públicas do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco​​​​​​aconselha aos populares que "salvaguardem sempre a sua segurança e que estejam sempre coordenados com os militares da GNR".

Excluída a hipótese de crime? Neste momento, trata-se de uma "operação de busca de um desaparecido"

Questionado sobre se exclui a hipótese de crime, Massano respondeu que, neste momento, se trata de um esforço de "operação de busca de um desaparecido". "É nesse sentido que estamos a desenvolver os esforços".

Na quarta-feira, o capitão da GNR disse à Lusa que o alerta para o desaparecimento da criança foi dado às 08:30 e que levou à montagem de uma operação de busca e resgate.

Segundo este responsável, o dispositivo foi reforçado ao longo do dia e inclui 'drones', equipas cinotécnicas, militares da GNR e alguns populares, com as buscas a decorrerem numa área "bastante alargada" daquela localidade.

De acordo com a mesma fonte, o menino, com idade compreendida entre "os dois e os três anos", terá desaparecido de casa e o alerta foi dado pelos pais, desconhecendo-se as circunstâncias do sucedido.

Além dos militares da GNR, a Polícia Judiciária também está no local, acrescentava.

Foi disponibilizado apoio psicológico à família

A Câmara de Idanha-a-Nova tem no terreno meios humanos e técnicos para ajudar nas buscas ao menino que está desaparecido em Proença-a-Velha e já disponibilizou apoio psicológico à família, disse à agência Lusa o presidente do município.

"Enquanto responsáveis da proteção civil, estamos desde a primeira hora no terreno para coordenar com as restantes autoridades tudo o que é preciso para estas buscas. Naturalmente, também estamos a acompanhar a família, colocando à disposição os serviços de apoio psicológico da autarquia", apontou Armindo Jacinto.

Frisando a "enorme preocupação" e o desejo de encontrar a criança bem e de saúde, o autarca reiterou tudo será feito para ajudar quem está a viver este momento "tão difícil".

O município também está assegurar as questões relacionadas com a logística e tem no terreno meios técnicos e humanos para apoiar as operações.

"Estamos a desenvolver todos os esforços para que a criança possa ser encontrada o mais depressa possível e, da nossa parte, damos todos os meios que temos para ajudar nessa busca, garantindo que os envolvidos possam ter as melhores condições possíveis para avançar no terreno", disse.

Entre essas componentes estão as refeições, a questão da iluminação noturna ou viaturas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG