Bombeiros e diabéticos recebem vacinas para a gripe gratuitas

Bombeiros e diabéticos passam a fazer parte da lista de pessoas que recebem a vacina gratuitamente

Os bombeiros e os doentes diabéticos vão receber a vacina contra a gripe gratuitamente este ano. A vacinação arranca em outubro e serão distribuídas gratuitamente cerca de 1,4 milhões de doses. Na lista dos utentes isentos do pagamento de taxas moderadoras estão também as pessoas com mais de 65 anos e os doentes internados.

Este ano, a vacinação gratuita vai custar ao estado cerca de 3,5 milhões de euros, quando em 2016 custou cerca de 3 milhões de euros. O número de doses também aumentou, passando de 1,2 milhões para 1,4 milhões.

A subdiretora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou que os bombeiros devem ter direito à vacinação gratuita porque "estão em risco ocupacional de contrair e transmitir a gripe, considerando as atividades de assistência e de transportes de doentes".

De acordo com Graça Freitas, o alargamento da gratuitidade das vacinas contra a gripe levou em conta os riscos que o frio representa para os diabéticos, nomeadamente de descompensação, sendo por isso recomendada esta medida profilática

Graça Freitas realçou ainda que a vacinação contra a gripe é "fortemente recomendada" a doentes crónicos e imunodeprimidos, a grávidas e a profissionais de saúde e prestadores e cuidados, segundo o Correio da Manhã.

Os diabéticos e os bombeiros juntam-se, assim, a um conjunto alargado de pessoas para quem a vacina contra a gripe já era gratuita: com 65 ou mais anos, institucionalizadas, integradas na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, apoiadas no domicílio, internadas em unidades de cuidados de saúde primários e em hospitais do SNS com patologias crónicas e condições para as quais se recomenda a vacina.

A medida já era igualmente gratuita para pessoas em diálise, submetidas a transplante de células precursoras hematopoiéticas ou de órgãos sólidos, a aguardar transplante, sob quimioterapia, com trissomia 21 e fibrose quística.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) pretende aumentar a população vacinada contra a gripe, sendo o seu objetivo principal aumentar os grupos de risco cobertos pela profilaxia.

Além das vacinas administradas gratuitamente, a quem é recomendada a vacina pode fazê-lo adquirindo-a na farmácia. O SNS comparticipa em 37% o seu valor, cabendo ao utente em média três euros.

Graça Freitas falava aos jornalistas no final da sessão de apresentação da campanha de divulgação do Programa Nacional de Vacinação (PNV) que decorreu no auditório da Escola Básica 2,3 Patrício Prazeres, em Lisboa.

"A vacina é um direito, como a água potável, mas também é um dever, um ato de responsabilidade e de solidariedade", disse.

No final da sessão, Graça Freitas convidou os alunos a serem "embaixadores das vacinas", o qual foi prontamente aceite pelos estudantes.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...