Bebé de 11 meses é o segundo caso de sarampo em Portugal

Portugal tem dois casos de sarampos confirmados, numa altura em que a Europa vive um surto da doença com mais de 500 situações notificadas desde janeiro

Um dos casos registados este ano em Portugal veio importado da Venezuela, o outro foi notificado quinta-feira. É um bebé de 11 meses, ainda sem idade para vacinação, e até ao momento não há indicação de mais contágios. Autoridades de saúde estão a monitorizar os contactados. A Direção-Geral da Saúde (DGS) apela à vacinação.

O caso da criança de 11 meses foi notificado no Algarve. Graça Freitas, subdiretora-geral da Saúde, explica ao DN que o bebé está bem e internado apenas para vigilância. "É uma criança portuguesa e pelo inquérito epidemiológico que está a ser feito terá sido contagiada por um familiar próximo que vive noutro país da União Europeia que veio a Portugal e que entretanto já regressou ao local de origem. Não foram encontrados outros casos, mas ainda estamos no período de incubação", explica.

Razão pela qual quer a DGS e as autoridades de saúde do Algarve estão a monitorizar todos os contactos. "Estamos atentos a qualquer situação suspeita e temos a creche sob vigilância, embora a criança já lá não fosse há algum tempo por uma situação de doença anterior. Se houver casos nos possíveis contactos podemos antecipar a primeira dose da vacina para os seis meses ou dar imunoglobulina para idades mais precoces", adianta.

O sarampo é muito contagioso, por norma benigno, mas que pode provocar casos graves, mesmo mortais. Portugal não regista um surto há mais de 10 anos e no ano passado recebeu o certificado da Organização Mundial da Saúde da eliminação da doença, o que não invalida casos importados. A taxa de cobertura vacinal é superior aos 95%, essencial para impedir a transmissão do vírus, mas existem pequenas bolsas suscetíveis que a DGS quer minimizar, estando os centros de saúde a chamar as crianças que tenham a vacina em atraso.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.