Autocarro com mensagem contra transexualidade infantil faz estalar polémica em Madrid

Associação colocou nas ruas um autocarro com mensagem para crianças, opondo-se às mudanças de sexo

Antes de ser parado pela guarda civil por incumprimento das normas relativas à publicidade, que impedem que qualquer veículo, exceto transportes públicos, circule com mensagens publicitárias em Madrid, o autocarro da plataforma ultra-católica Hazte Oír (Faz-te Ouvir) andou dois dias pela capital espanhola.

A polémica estalou quando as queixas dos munícipes chegaram à classe política, que denunciou o caso como manifestação transfóbica e pediu medidas contra a "campanha de ódio" que decorria. No autocarro podia ler-se: "Os meninos têm pénis, as meninas têm vulva. Que não tem enganem. Se nasces homem, és homem. Se és mulher, continuarás a sê-lo".

A mensagem causou indignação e motivou inclusivamente uma reação da porta-voz do município de Madrid. No Twitter, Rita Maestre escreveu que Madrid é uma cidade "inclusiva e acolhedora", acrescentando que não há espaço para a transfobia nas ruas da cidade. O município prometeu entretanto proibir de vez a circulação do autocarro, que segundo a associação Hazte Oír deveria deslocar-se igualmente pelos centros das cidades espanholas de Valência, Barcelona, Saragoça, Pamplona, Bilbau ou San Sebastian.

A plataforma, que se descreve como uma "associação civil de âmbito nacional", defende os valores da "vida, da família e das liberdades", opondo-se à despenalização do aborto.

Citado pela edição espanhola da CNN, o presidente da Hazte Oír, Ignacio Arsuaga, defendeu a utilização do autocarro como parte de uma campanha de sensibilização para as "leis do género" e tem justificado a ação nas redes sociais, utilizando a hashtag ElBusQueNoMiente, o autocarro que não mente.

Exclusivos