Autarcas da Póvoa de Varzim recebem ameaças de morte com balas em envelopes

Envelopes foram deixados à porta da Câmara Municipal e foram endereçados ao presidente e vice-presidente e à porta do local do trabalho do presidente da Assembleia Municipal.

O presidente da Câmara da Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, o vice-presidente da autarquia e o presidente da Assembleia Municipal receberam esta terça-feira ameaças de morte, através de uma mensagem, acompanhada por uma bala, dentro de envelopes.

A ocorrência foi dada a conhecer pela autarquia, através de um comunicado, no qual descreve que os envelopes foram deixados à porta da Câmara Municipal, endereçados ao presidente, Aires Pereira, e ao seu vice-presidente, Luís Diamantino, mas também na porta do local do trabalho do presidente da Assembleia Municipal, Afonso Pinhão Ferreira.

"Os conteúdos eram iguais, quer no objeto, quer na dedicatória: uma bala para cada um, acompanhada destes dizeres: 'Não é uma ameaça, muito menos um aviso, é uma previsão. Ou uma destas na testa. A vossa escolha é fácil. Não vamos gastar mais munições com envelopes'", pode ler-se no comunicado da autarquia.

No mesmo texto é dito que a ocorrência foi "de imediato participada às autoridades de investigação criminal", com a informação de que as mesmas ameaças "também circulam nas redes sociais".

O incidente aconteceu um dia depois de a Câmara ter iniciado o processo de demolição da Praça de Touros da Póvoa de Varzim, tendo a autarquia feito uma relação entre a intervenção e a ocorrência desta terça-feira.

"Não nos antecipando às conclusões a que as perícias laboratoriais conduzirão, adiantamos o que aos poveiros mais atentos parece óbvio: que esta tresloucada ameaça, absolutamente imprópria em meios civilizados e democráticos, não é mais que a tentativa desesperada de uma minoria de impedir a concretização de uma deliberação legitimada pelo voto", acrescenta o texto.

O comunicado da Câmara da Póvoa de Varzim garante, ainda, que os visados estão "indiferentes às ameaças e empenhados como sempre em honrar os compromissos que submeteram a sufrágio eleitoral e que colheram alargadíssimo consenso nos órgãos autárquicos municipais".

"Reafirmamos que nada nos demoverá do propósito de substituir um espaço anacrónico e de esporádica utilização por um palco de permanente promoção da arte e da cultura, reforçando este vetor estratégico de desenvolvimento da cidade", acrescenta o texto.

Recorde-se que a praça de touros da Póvoa de Varzim começou na segunda-feira a ser demolida, depois de um interregno de dois anos devido a uma providência cautelar interposta por uma associação local, a que o tribunal não deu provimento.

As operações começaram depois de a autarquia ter recebido, na quinta-feira, a informação de que a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto transitou em julgado, dando luz verde para que as obras para a construção de um pavilhão multiúsos, que vai ser erguido no mesmo local, possam avançar.

A empreitada, com um custo previsto de cerca de nove milhões de euros, foi anunciada em 2019, mas no ano seguinte, já depois do lançamento do concurso público, o processo de demolição foi travado pela justiça, na sequência de uma ação movida pela Patripove (Associação de Defesa e Consolidação do Património Poveiro).

A associação considerava que o equipamento devia ser "preservado e não demolido", apontando que o mesmo faz parte "do património imaterial da memória de gerações de poveiros e da memória da cultura popular portuguesa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG