Ataque informático expõe 400 milhões de contas em sites para adultos

Empresa que investiga incidentes de pirataria admite que este foi o maior ataque alguma vez registado em quantidade de dados roubados

Mais de 400 milhões de contas da Internet na rede de 'sites' para adultos e pornografia Friend Finder Network foram expostas por um "pirata" informático em outubro, segundo a Leaked Source.

De acordo com a Leaked Source, uma empresa que investiga incidentes de pirataria na Internet, o ataque sofrido pela Friend Finder Network constitui a maior violação de dados na Net alguma vez registada, afetando 339 milhões de contas do seu site AdultFriendFinder.com, definido por esta companhia como a "maior comunidade de sexo e libertinagem do mundo"

Para além dos sites para adultos, o ataque afetou outros domínios da Friend Finder Network, entre eles 62 milhões de contas da Cams.com e sete milhões de contas da Penthouse.com.

Foi ainda detetado o roubo de informação de mais de 15 milhões de contas "desativadas" que não tinham sido eliminadas da base de dados da empresa.

A Leaked Source considera ter sido este o maior ataque alguma vez registado em quantidade de dados roubados, muito maior do que sofreu a rede social MySpace em 2013, em que 360 milhões de contas foram afetadas.

A Friend Finder Network, com sede na Califónia, Estados Unidos, tinha já sofrido um ataque no ano passado, que expôs informação de quase 4 milhões de contas, incluindo dados sobre preferências sexuais ou se o utilizador procurava uma relação extraconjugal.

Numa declaração enviada à ZDNet, um portal de comunicação social especializado em tecnologia, a Friend Finder Network não confirmou o ataque revelado pela Leaked Source, mas admitiu "vulnerabilidades" de segurança.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.