Astronautas da Estação Espacial Internacional verão o eclipse solar três vezes

O eclipse total começou a ser visível na costa oeste dos EUA cerca das 17:30

Os astronautas que orbitam a terra na Estação Espacial Internacional verão o eclipse solar desta segunda-feira, três vezes.

Numa sessão no Facebook da NASA, na passada sexta-feira, o astronauta Randy Bresnik explicou que como a Estação Espacial Internacional dá a volta à Terra a cada 90 minutos eles poderão assistir ao acontecimento em triplicado.

"A primeira vez [o eclipse] estará longe da costa oeste. Na verdade vamos cruzar o caminho do sol e teremos um eclipse parcial mesmo em frente à estação espacial", disse Bresnik durante a sessão.

O primeiro eclipse parcial será visto a começar às 17:33 horas (hora de Lisboa). A segunda oportunidade será quando a estação espacial estiver a norte de Lake Huron, no Canadá, às 19:23 e a última irá ocorrer às 21:17 , quando o laboratório espacial estiver "à saída da costa leste", disse Bresnik.

A NASA afirmou anteriormente que os membros da Estação Espacial Internacional não terão um eclipse solar total, mas sim uma vista parcial. "É difícil observar um eclipse solar total de uma nave espacial tripulada, embora não impossível" afirmou a NASA.

Durante a sessão, Bresnik sublinhou que a Estação Espacial Internacional tem "câmaras especialmente equipadas que terão filtros solares que vão permitir tirar fotografias do sol".

"Vai ser muito bonito", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.