Arrendamento clássico está a desaparecer do centro da cidade

enómeno não é exclusivo em Lisboa - afeta também o Porto. Cada vez mais os preços variam em função da oferta turística

A tendência já é claramente identificada pelos agentes do mercado - conseguir arrendar casa no centro de Lisboa é cada vez mais complicado, uma tendência que se agrava se estivermos a falar de jovens, em geral com um menor poder de compra. Vários fatores contribuem para isso, mas há um em particular que está a ganhar um enorme peso - o chamado alojamento local, ou seja, o aluguer de curta duração a turistas. Miguel Poisson, diretor-geral da ERA, uma das maiores imobiliárias a operar em Portugal, não tem dúvidas sobre a situação atual do arrendamento. "No centro das grandes cidades começa a ser muito difícil encontrar uma solução de arrendamento clássico. Os preços subiram muito", diz ao DN.

O responsável da imobiliária realça que não se trata de uma realidade lisboeta, apontando também o caso do Porto como muito semelhante. É uma "tendência geral" que afeta necessariamente os mais jovens, que nesta altura "dificilmente encontram casa" a preços suportáveis nos locais mais procurados da capital.

Zonas habitacionais como Príncipe Real, Chiado, Alfama, Graça, Sé, São Vicente e São Paulo são exemplos de bairros proibitivos, onde a oferta está cada vez mais virada para os turistas. E este é um mercado que "continua a crescer", sublinha o responsável da ERA.

A mudança de Alfama

Um caso exemplar é Alfama. Há alguns anos este era um bairro de Lisboa procurado por jovens para arrendamento. Havia razões para os valores baixos que eram pedidos como rendas. Casas pequenas, prédios sem elevador, muitas vezes a precisar de reabilitação, faziam baixar os preços e tornavam os apartamentos particularmente apetecíveis para esta faixa etária. Essa realidade alterou-se radicalmente. Em Alfama existem agora "ruas inteiras que são verdadeiros hotéis", diz Miguel Poisson. "Há casas compradas a preços que rondam os 110, 120 mil euros por 30 metros quadrados. Estamos a falar de 3500/4000 euros por metro quadrado", exemplifica o diretor-geral da ERA. O preço médio de venda, em Lisboa, é de 1900 euros por metro quadrado.

A rentabilidade do alojamento de curta duração a turistas é de tal forma compensadora, face ao alojamento tradicional, que quem trabalha no terreno diz que há empresas a alugar espaços nos bairros centrais de Lisboa por valores acima do preço de mercado para depois os subarrendar - o que significa que o negócio é, mesmo assim, compensador. "O mercado deu a volta por completo. Desde meados do ano passado os valores dispararam", sublinha Saida Morais, da Remax Cycle, outra grande operadora imobiliária.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, anunciou recentemente um projeto para fixar os mais jovens na capital, o DN tentou ontem obter um comentário da autarquia sobre a situação relatada, mas sem sucesso.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG