Arouca abre a "maior ponte pedonal suspensa do mundo"

A ponte abre esta quinta-feira a residentes do concelho e na segunda ao público em geral. Liga a margem de Canelas à de Alvarenga e tem ligação aos Passadiços do Paiva. Bilhete custa 12 euros, com descontos para jovens e séniores

A Ponte 516 Arouca, apontada pelos seus construtores como a maior do mundo entre as pedonais suspensas, abre esta quinta-feira a residentes do concelho e segunda-feira ao público em geral, sempre mediante aquisição prévia do bilhete na internet.

Ligando a margem de Canelas à de Alvarenga através de 516 metros de vão, o novo equipamento turístico do distrito de Aveiro tem ligação aos Passadiços do Paiva e situa-se 175 metros acima do rio, proporcionando vistas desimpedidas em todas as direções da paisagem através do gradil metálico que compõe o piso da ponte e as suas guardas laterais.

Os visitantes com comprovativo de morada em Arouca podem usufruir da experiência a título gratuito, se já tiverem o cartão-residente que por 5 euros lhes garante livre-trânsito durante três anos na ponte e nos Passadiços do Paiva, mas utilizadores oriundos de outros territórios terão que pagar 10 a 12 euros pelo bilhete de acesso, consoante a sua idade.

Nessa escala etária, e atendendo a que o acesso à ponte está interdito a menores de seis anos, crianças e jovens até aos 17 anos pagam 10 euros, assim como maiores de 65 anos, enquanto o bilhete para a restante população custa 12.

Independentemente da data de nascimento, estudantes com o devido comprovativo pagarão apenas 10 euros por uma entrada.

O tarifário da Ponte 516 Arouca inclui ainda três modalidades de pack familiar, ao preço de 30 euros para grupos com dois adultos e uma criança ou jovem, 40 para dois adultos e dois menores, e 45 para casais com três descendentes - sendo que, pelo quarto filho e seguintes, acrescerá 5 euros por cada um.

Investimento de 2,3 milhões de euros na construção da estrutura,

Qualquer que seja o formato selecionado, todos os ingressos incluem o direito de acesso aos Passadiços do Paiva, num percurso de mais de oito quilómetros ao longo do rio, entre a praia fluvial do Areínho e a ponte de Espiunca.

A presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém, disse à Lusa que todo esse tarifário foi definido não para garantir um rápido retorno financeiro do investimento de 2,3 milhões de euros na construção da estrutura, mas sim para fazer jus à "experiência exclusiva proporcionada pela ponte, implantada num território natural valioso e protegido".

Sempre em consonância com os horários dos passadiços, em abril a nova Ponte 516 Arouca poderá ser visitada entre as 09:00 e as 19:00. Depois, de maio a setembro estará aberta das 08:00 às 20:00, em outubro funcionará novamente das 09:00 às 19:00 e de novembro a março estará disponível só entre as 09:00 e as 17:00.

Reservas e pagamento de bilhetes devem fazer-se online através do site www.516arouca.pt, onde está compilada informação geral sobre a estrutura.

A obra resulta de um projeto do ITeCons - Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção, Energia, Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Coimbra, tendo a empreitada sido confiada à empresa Conduril. Com essa construtora trabalharam ainda as firmas Outside Works, Oliveira e Sá, Edirio, Geoborte Microestacas e Toscca.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG