Aprender com a mãe numa viagem de oito meses pelo mundo

André e Carolina deixaram os empregos e vão viajar pela Ásia e pela Oceânia com os filhos. Mais velha vai manter os estudos

A casa está vendida, o carro também. Mas há uma check list enorme de coisas para fazer antes de partir à aventura, entre as quais ensinar os avós a usar o Skype, o WhatsApp e o FaceTime. Afinal, são oito meses fora. No dia 19, André Carvalho, 38 anos, e Carolina Quina, de 31, partem para uma viagem pelo mundo com os três filhos: Leonor, de 8 anos, Pedro, de 5, e André Maria, de 17 meses. Enquanto André escolhe os locais a visitar e escreve os textos para o blogue Blue Olive, Carolina será professora da filha mais velha - iria neste ano para o 3.º ano do básico -, ficando com a responsabilidade de falar sobre homeschooling.

"É um sonho fazer um projeto deste género", contou ao DN André Carvalho, destacando que o grande propósito do casal é "viajar em família". Depois de terem deixado os empregos que tinham, Carolina e o marido resolveram fazer uma espécie de ano sabático, antes de entrarem "a 100%" no projeto que iniciaram juntos: uma agência de viagens. De certa forma, a viagem acaba por ser também um investimento a nível profissional, uma vez que vão conhecer destinos e contactar com empresas e guias com os quais podem vir a estabelecer parcerias.

André e Carolina não são os primeiros portugueses a ter uma ideia deste género, mas, pelo que sabem, são os primeiros a viajar com um bebé tão pequeno e uma filha em regime de ensino doméstico. O facto de só Leonor estar em idade escolar foi outra das razões que os levaram a fazer a viagem agora. "Há um Centro de Estudos em Sintra que vai acompanhar e avaliar a Leonor", contou ao DN a mãe.

Leonor está entusiasmada com a viagem. "Mas também está ansiosa, porque já vê os amigos a irem para a escola", diz Carolina. Como está bastante habituada a viajar com os pais, a mãe acredita que a filha mais velha se vai adaptar bem ao homeschooling. "Eles já estão habituados a aprender na rua. Entusiasmam-se com as coisas. O Pedro é um miúdo que sonha imenso. Vai aproveitar ao máximo."
O roteiro está mais ou menos traçado, mas ainda poderá sofrer alterações. Para já, a ideia é visitar Tailândia, Tasmânia, Austrália, Nova Zelândia, Indonésia, Vietname, China e Japão. Mas só as primeiras semanas estão marcadas. Entre os países, a família desloca-se de avião, mas dentro de cada um opta por diferentes meios, consoante os custos. Na Tailândia - o primeiro destino - vão pernoitar em hotéis, mas na Tasmânia, por exemplo, André diz que "funciona bem a caravana". Já na Austrália, o melhor mesmo é alugar um carro e dormir em apartamentos.

Há dois anos que o casal andava a adiar a realização desta viagem. "Fizemos contas e achámos que era complicado." Mas começaram a pensar melhor no assunto e resolveram rever o orçamento. A escolha da Ásia e da Oceânia prende-se não só com o gosto pessoal de ambos mas também com a questão financeira: "Conseguimos um equilíbrio entre países mais caros e mais baratos", explica André, acrescentando que, na Ásia, há várias companhias aéreas low-cost, o que lhes permite poupar algum dinheiro nas viagens.

Para conseguir suportar os custos de uma aventura de oito meses fora de casa, o casal vai "cortar todas as despesas" que tem em Portugal. André reconhece que "é preciso ter algum dinheiro" para embarcar numa aventura destas, mas se forem eliminadas todas as despesas - do carro à casa -, a diferença entre aquilo que vão gastar na viagem e que gastariam em Portugal "não é assim tão grande".

"Aproveitar ao máximo" é o lema da família. Querem conhecer diferentes tribos, relaxar, desfrutar das paisagens, dos sítios mais urbanos aos mais paradisíacos. Ao longo da viagem, vão encontrar-se com amigos em diferentes países e aproveitar para acompanhar alguns eventos, como o campeonato do mundo de surf ou o festival de yoga, em Bali.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG