Africano era escravo em moradia da Margem Sul

O SEF, com a ajuda do PSP, resgatou o homem de 30 anos de uma situação de servidão doméstica. A proprietária da casa foi constituída arguida por tráfico de pessoas e auxílio à imigração ilegal

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em colaboração com a PSP, resgatou e colocou em segurança um cidadão de origem africana que se encontrava a ser explorado numa situação de servidão doméstica numa moradia na margem sul de Lisboa, comunicou hoje o SEF.

A vítima, com cerca de 30 anos e sem qualquer instrução escolar, chegou a Portugal convencida que vinha passar um curto período de férias na sequência de um convite formulado por familiares da proprietária do local onde se encontrava.

A proprietária da moradia, que mantinha o africano ao seu serviço sem qualquer remuneração e com total controlo de movimentos, foi constituída arguida, pela suspeita da prática dos crimes de Tráfico de Pessoas e Auxílio à Imigração Ilegal.

A investigação prossegue. O SEF vai tentar repatriar a vítima em segurança para o seu país de origem conforme intenção declarada pela mesma.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG