Adolescente norte-americano morre por consumir demasiada cafeína

O jovem de 16 anos tinha consumido três bebidas com cafeína nas duas horas antes de morrer

Um adolescente norte-americano morreu devido ao consumo excessivo de cafeína, segundo o relatório da autópsia. Davis Allen Cripe, um jovem de 16 anos da Carolina do Sul, sofreu um problema cardíaco que causou uma provável arritmia, anunciou o médico legista Gary Watts, numa conferência de imprensa esta segunda-feira.

O adolescente tinha consumido três bebidas com cafeína nas duas horas antes de morrer: um latte (café com espuma de leite), um refrigerante Mountain Dew e uma bebida energética. Sentiu-se mal durante a tarde, na escola, e foi declarado morto cerca de uma hora depois.

O médico que fez a autópsia não encontrou problemas cardíacos, nem drogas ou álcool no organismo do jovem. "Isto não foi uma overdose. Perdemos o Davis devido a uma substância totalmente legal. O nosso objetivo aqui hoje é dizer às pessoas, especialmente aos jovens nas escolas, que estas bebidas podem ser perigosas, e devem ser muito cuidadosos".

A Academia de Pediatras norte-americana recomenda que os adolescentes dos 12 aos 18 não devem consumir mais de 100 miligramas de cafeína por dia. Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde alertou há alguns anos para o problema do elevado consumo de cafeína pelos jovens, na altura motivada pelo consumo de bebidas energéticas. A DGS considera que o início do consumo de cafeína deve ocorrer, preferencialmente, a partir dos 18 anos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.