Adesivo indolor é alternativa na vacina da gripe

Método já foi testado em humanos nos Estados Unidos com resultados positivos

Um adesivo que substitui a agulha da seringa e permite que a vacina da gripe seja administrada de forma praticamente indolor pode estar prestes a ser utilizada pois os testes realizados em cem humanos foram positivos e os investigadores norte-americanos que desenvolveram este novo método acreditam que pode ser uma alternativa viável em breve.

O funcionamento deste adesivo foi trabalhado por especialistas da Universidade de Emory e do Instituto de Tecnologia da Geórgia, ambos nos EUA. Possui uma centena de minúsculas agulhas, com forma semelhante a um cabelo, que penetram na pela e permitem a passagem da vacina. À revista Lancet, os investigadores afirmaram acreditar que pode ser uma forma de imunizar muita população contra a gripe, sem o recurso a injeções. Uma das vantagens do novo método é que desta forma a vacina não precisa de estar a temperaturas muito baixas e dispensa os aparelhos frigoríficos para conservação ao contrário da vacina injetável.

Os testes em humanos avançaram e a maioria das respostas foram que o sistema era quase indolor e preferível às injeções. Contudo, 80% dos voluntários confirmaram que no local onde foi aplicado o adesivo sentiram comichão durante alguns dias. Algo que não preocupa os cientistas. O investigador principal, Mark Prausnitz, que integra uma empresa que quer licenciar esta tecnologia, disse: "Se aumentarmos o tamanho do microscópio, vemos agulhas muito pequenas. Perfuram sem dor na pele."

A sua equipa testou o adesivo em simultâneo com a vacinação tradicional para a gripe. Alguns dos cem voluntários receberam a injeção no braço, enquanto outros aplicaram o adesivo no pulso, por 20 minutos. Destes, a maioria disse que usar o adesivo era indolor, mas alguns experimentaram os referidos efeitos colaterais - a pele ficou vermelha, com ligeiras irritações na área onde foi aplicada. Os sintomas aumentaram em alguns casos ao longo dos dias, embora não tenham consequências relevantes na saúde.

Os especialistas dizem que o adesivo pode revolucionar a forma como a gripe e outras vacinas são administradas. Contudo, são prudentes e admitem que são necessários mais testes clínicos nos próximos anos para ter o sistema aprovado para uso generalizado.

Nadine Rouphael, da Universidade Emory, vê vantagens em generalizar: "Poderíamos tomar a vacinação em casa, no local de trabalho ou mesmo por via de distribuição pelo correio." O adesivo, depois de usado, pode ir direto para o lixo porque as microagulhas dissolvem-se. Pode ainda ser armazenado com segurança até um ano, sem refrigeração, o que pode ser um importante contributo para os países menos desenvolvidos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...