Marcos Freitas já tem a melhor classificação de sempre, mas quer mais

Mesatenista português já garantiu lugar entre os 16 primeiros

Marcos Freitas mostrou-se satisfeito por já ter conquistado domingo o melhor lugar de sempre de um português nuns Jogos Olímpicos, ao assegurar um lugar no 'top-16' do Rio2016, com um triunfo sobre o romeno Ovidiu Ionescu.

"Esta é a melhor classificação de sempre, pois já entrei nos 16 melhores, mas o objetivo é continuar a ganhar e a seguir em frente", disse o jogador madeirense, após vencer o 78.º jogador da hierarquia por 11-9, 1-11, 11-5, 11-7 e 11-9, num embate que durou 14 minutos.

O 11.º jogador do 'ranking' mundial conseguiu um triunfo folgado, mas que não lhe pareceu fácil: "Foi uma boa vitória, num jogo muito complicado, frente a um jogador que já tinha ganhado dois jogos, um deles face ao austríaco Robert Gardos, com quem já perdi várias vezes".

"Na última vez que o tinha defrontado, ganhei, mas ele teve três 'match points'", prosseguiu o jogador luso, acrescentando: "Estive melhor taticamente, pois mudei a tática e controlei o jogo todo, com exceção do segundo 'set'".

De acordo com Marcos Freitas, o 1-11 do segundo parcial ficou a dever-se a uma boa entrada do romeno, que ganhou "muita vantagem" de início e também teve "alguns pontos de sorte".

"Face ao avolumar do resultado, decidi começar a pensar nos 'sets' seguintes", explicou, na zona mista do Pavilhão número 3 do Complexo RioCentro.

Na quarta ronda, os oitavos de final, Marcos Freitas vai medir forças com o ucraniano de origem chinesa Lei Kou, que ocupa o 42.º lugar do 'ranking' mundial.

"É um jogador muito forte, que já me ganhou, se bem que eu o tenho superado na última vez que o defrontei", lembrou o jogador luso, antevendo o confronto marcado para as 17:00 locais de hoje (21:00 em Lisboa).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.