"Vou continuar a combater politicamente"

Uma sala cheia, mas com poucas caras conhecidas, confortaram Pedro Santana Lopes, o candidato derrotado à liderança do PSD

"Temos de continuar a sonhar. Vou continua a combater politicamente!" prometeu Santana Lopes quase no final do seu discurso, no qual assumiu a derrota. Foi cedo, antes das 22 horas que o staff informou que o candidato iria falar. Com os números até essa altura conhecidos os resultados davam uma vitória avantajada de Rui Rio, cujos apoiantes, no Porto, já festejavam há largos minutos.

"O PPD-PSD escolheu. Espero que Portugal fique bem servido com a escolha. Os militantes do partido saberão com toda certeza qual é a melhor solução para a liderança do partido", afirmou Santana Lopes, assumindo "todas as responsabilidades".

"Não fiquem tristes", pediu, "disse à minha família que estava calmo, sereno e descontraído. E isto porque tenho a consciência tranquila. Fizemos o mais importante em política, que é lutar por aquilo em que acreditamos", afirmou com firmeza. Neste momento, primeiro um pequeno grupo, depois toda a sala se levantou em aplausos e a gritar "PSD, PSD".

Notada a falta de deputados que apoiaram Santana, como Fernando Negrão, Carlos Abreu Amorim ou Luís Montenegro.

Entre os presentes, mais conhecidos, estavam Rui Machete, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da Comissão de Honra da candidatura, António Almeida Henriques, António Barreto Xavier, Miguel Salema Garção e Eduarda Napoleão.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.