Viúvas dos deficientes militares "não podem ser esquecidas", diz Eanes

Antigo presidente da República participou no 44º aniversário da Associação dos Deficientes das Forças Armadas

Ramalho Eanes considerou esta segunda-feira que as viúvas dos deficientes militares da guerra colonial "não podem ser esquecidas".

O general falava ao DN à margem da cerimónia comemorativa do 44º aniversário da Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), cujos responsáveis evocaram e elogiaram repetidas vezes a sua ação em defesa desses antigos combatentes, nomeadamente como chefe do Estado.

Ramalho Eanes, sem querer comentar o atual estado dos apoios aos DFA, disse apenas esperar que esses antigos militares "acabem por receber" o que precisam e merecem.

É preciso "ter em consideração" que esses homens estão na "última fase da vida" e precisam de ter respostas clínicas e de apoio social, sublinhou ainda o general, reconhecendo que "o diálogo gratificante entre a ADFA e o poder político tem permitido resolver questões, pelo menos as cruciais, com alguma eficácia".

No caso das viúvas, "que não podem ser esquecidas", está nomeadamente em causa o chamado controlo de rendimentos, em que a Caixa Geral de Aposentações contabiliza as pensões de sangue dos DFA falecidos - com natureza indemnizatória e não sujeitas a impostos - na reavaliação do valor a pagar-lhes.

Isto significa que, somando essas pensões de sangue aos rendimentos de outra natureza auferidos por essas viúvas, estas passam a receber menos após a morte dos maridos.

Acabar com essa situação constitui uma das reivindicações da ADFA e vai estar no centro das atenções do grupo de trabalho recém-criado pela Comissão parlamentar de Defesa, presidido pelo deputado Miranda Calha (PS), para resolver um conjunto de questões ainda pendentes em matéria de apoio aos DFA.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG