Violência doméstica: mulher obrigada a viver a 10 metros do agressor

Juiz ordenou que a idosa de 76 anos fosse viver com a filha, vizinha do suspeito

Uma mulher de 76 anos, que alega ter sido vítima de violência doméstica durante 40 anos, ganhou coragem e denunciou o marido às autoridades. O suspeito também maltratava a filha e as netas, mas o juiz de instrução criminal deixou o homem em liberdade e ordenou à mulher que saísse da sua casa, e que ficasse a morar apenas a dez metros do agressor.

A história, que é contada esta sexta-feira pelo Jornal de Notícias, avança que o homem foi detido pela GNR e que "os inúmeros relatos de violência feitos pela família, residente em Messines, Silves, impressionaram os militares do Núcleos de Investigação e de Apoio a Vítimas Especificas de Portimão".

A denúncia foi feita em dezembro de 2017 e dá conta de maus tratos contínuos, roubo do dinheiro da reforma da idosa, além de ameaças de morte. A última agressão terá deixado a mulher com sequelas neurológicas.

A filha, de 44 anos, era também agredida com varas e e um cajado e foi impedida de frequentar a escola. O homem obrigava as netas, de 12, 16 e 19 anos, a cuidar dos animais, ameaçando-as com um bordão.

O magistrado deixou o homem sair em liberdade. Está proibido de contactar a vítima, mas esta foi obrigada a ir viver coma filha, que reside apenas a dez metros do agressor.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG