Vieira da Silva deu 100 mil euros a IPSS presidida pela sogra

A 4 de março de 2009, quando era ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva concedeu um subsídio a um centro social de Guimarães dirigido por Elvira Fertuzinhos

O efeito "bola de neve" do caso Raríssimas continua a atingir o ministro Vieira da Silva. Segundo notícia avançada hoje pelo jornal i, a 4 de março de 2009, quando era ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva concedeu um subsídio ao Centro Social D.Manuel Monteiro de Castro, em Guimarães, dirigido por Elvira Fertuzinhos, amãe da sua mulher, a deputada socialista Sónia Fertuzinhos. Até hoje Elvira Fertuzinhos ocupa o cargo de presidente desta IPSS, pelo qual passou a receber um vencimento base de mil euros em abril de 2010, depois de o centro social já ter recebido o subsídio governamental.

Segundo o i, Elvira Fertuzinhos viu o seu vencimento base atualizado para 1177 euros por mês em abril de 2016. Por ano recebe 16.478 euros desta IPSS e a este valor ainda acrescenta uma reforma mensal que aufere desde 2010 e que ronda os 1050 euros. Contactado pelo jornal, o ministério de Vieira da Silva confirmou a atribuição do montante mas justificou que este centro social de Guimarães já tinha recebido apoios financeiros em anos anteriores. Em 2004, o então ministro da tutela, Bagão Félix, concedeu 180 mil euros à IPSS no âmbito do fundo de socorro social.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.