UNESCO atribui Cátedra Diálogo Intercultural em Patrimónios a Coimbra

Projeto envolve meia centena de docentes e investigadores, numa parceria com várias instituições europeias

A Universidade de Coimbra (UC) obteve a Cátedra UNESCO 'Diálogo Intercultural em Patrimónios de Influência Portuguesa', anunciou hoje este estabelecimento de ensino.

A nova Cátedra UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) terá como "principais eixos de ação a investigação, formação avançada e cooperação para o desenvolvimento no âmbito dos designados patrimónios vivos -- a paisagem e a língua --, com o objetivo de contribuir para a construção de alternativas integradas às agendas hegemónicas da globalização", afirma a UC numa nota enviada hoje à agência Lusa.

A atribuição da cátedra resulta de "uma exigente e rigorosa avaliação por peritos internacionais, após candidatura apresentada pela UC", sublinha.

Para o titular da cátedra, Walter Rossa, docente do Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e investigador do Centro de Estudos Sociais da UC, a candidatura "surgiu como sequência natural do trabalho já desenvolvido no âmbito do doutoramento Patrimónios de Influência Portuguesa e da iniciativa Alta Sophia [que culminou na classificação desta área como Património Mundial] e alinha na estratégia global de internacionalização da Universidade de Coimbra".

"Este 'selo de qualidade' expressa o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela UC, Património Mundial da UNESCO, e é uma prova de confiança no trabalho que nos propusemos desenvolver no sentido de afirmar o património e a cultura como ativos essenciais para o desenvolvimento sustentável, na linha dos objetivos da Agenda 2030 das Nações Unidas", afirma o docente e investigador, citado pela UC.

O grande objetivo, sublinha ainda Walter Rossa, é "criar sinergias através do diálogo intercultural subjacente ao conceito de influência portuguesa. Essa influência, por exemplo, por meio da língua comum, mantém cerca de 4% da população mundial potencialmente conectada".

A Cátedra UNESCO Diálogo Intercultural em Patrimónios de Influência Portuguesa envolve, à partida, meia centena de docentes e investigadores numa parceria com várias instituições europeias, brasileiras e africanas, designadamente a Universidade do Algarve, a Università degli Studi di Bologna (Itália), a Universidade Federal Fluminense (Brasil), as universidades Eduardo Mondlane e Lúrio (Moçambique), a Université Paris Nanterre (França) e M EIA - Mindelo Escola Internacional de Arte (Cabo Verde), bem como o Instituto Camões e a Fundação Calouste Gulbenkian, conclui a UC.

O Programa de Cátedras UNESCO UNITWIN foi criado, em 1992, com o objetivo de promover a cooperação e interligação entre universidades, a nível internacional, para reforçar as capacidades institucionais através da partilha de conhecimento e do trabalho colaborativo.

A Rede Cultura, Turismo e Desenvolvimento UNITWIN reúne mais de 700 instituições de 116 países.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.